Concerto de organista americano impedido por católicos fundamentalistas na França: uma investigação aberta

Concerto de organista americano impedido por católicos fundamentalistas na França uma investigação aberta

Uma investigação foi aberta pelos tribunais por violência deliberada e obstrução à liberdade de expressão após o impedimento de um concerto de um organista americano em uma igreja no oeste da França por católicos fundamentalistas, indicou o plenário na terça-feira.

O prefeito da cidade de Carnac, uma pequena cidade turística da Bretanha, anunciou na noite de segunda-feira que havia apresentado uma queixa depois que várias dezenas de católicos fundamentalistas impediram a realização deste concerto de Kali Malone.

Sábado à noite, "cerca de quarenta jovens de pescoço claro obstruíram violentamente um concerto que iria decorrer na igreja de Saint-Cornély", denunciou Olivier Lepick, sublinhando que um dos seus "adjuntos foi esbofeteado sob os gritos do grande-Satã!"

O autarca tomou então a decisão de cancelar o concerto, que tinha sido aprovado pelo bispado e pela comissão de freguesia.

“Eu não poderia tolerar que a violência dos manifestantes caísse sobre um público que veio pacificamente para assistir a um concerto ou que nossa igreja sofresse danos”, disse ele em sua página no Facebook.

A diocese também denunciou os acontecimentos. “A comissão de discernimento paroquial nunca identificou no programa nenhuma obra contrária à mensagem do Evangelho que pudesse minar a dimensão sagrada do local”, reagiu.

No Twitter, a organização fundamentalista Civitas evocou um "concerto profanatório" e twittou em latim "Christus Vincit!". Em questão, um pedaço de Kali Malone, Sacer Profanare, profanatório segundo eles.

“O título sacer profanare, que parece ter incendiado a pólvora, nunca apareceu no programa apresentado para este concerto”, contesta a diocese.

Vários shows em locais religiosos foram cancelados nos últimos meses na França devido a pressões ou ameaças.

No final de abril, um show de rap e música eletrônica que aconteceria no telhado da basílica de Lyon (sudeste) - um dos redutos da ultradireita na França - havia sido cancelado devido a " ameaças de violência grave", segundo seu organizador.

E no início de abril, o cantor Bilal Hassani, ícone LGBT na França e ex-representante do país no Eurovision, teve que cancelar seu show em uma igreja profanada em Metz (leste), sob pressão de movimentos católicos que clamavam por " profanação”.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Creative Commons / Flickr

Artigos recentes >

Marcha para Jesus: uma demonstração excepcional de fé para mais de 10 participantes em Paris

ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >