A ex-chanceler alemã Angela Merkel recebe o Prêmio Nansen da ONU para Refugiados

Shutterstock_493094959.jpg

A ex-chanceler alemã Angela Merkel (2005-2021) ganhou o Prêmio Nansen do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) na terça-feira por sua determinação em receber requerentes de asilo quando estava no cargo.

Recordando que a Alemanha acolheu mais de 1,2 milhões de refugiados e requerentes de asilo em 2015 e 2016, no auge da crise migratória alimentada sobretudo pela guerra na Síria, o comité de seleção do ACNUR elogiou “a liderança, coragem e compaixão” do ex-chanceler .

Na época, Merkel, que liderou a Alemanha por 16 anos, julgou que a situação "é um teste para nossos valores europeus como raramente antes", apontando para "um imperativo humanitário".

O chefe do ACNUR, Filippo Grandi, elogiou a determinação do ex-líder em proteger os requerentes de asilo e defender os direitos humanos e os princípios humanitários.

"Ao ajudar mais de um milhão de refugiados a sobreviver e se reconstruir, Angela Merkel demonstrou grande coragem moral e política", disse Grandi em comunicado.

“Foi uma liderança real pedindo a compaixão de todos nós, permanecendo firme diante daqueles que pregavam o medo e a discriminação. »

"Ela mostrou o que pode ser alcançado quando os políticos seguem o caminho certo e trabalham para encontrar soluções para os desafios globais, em vez de simplesmente transferir a responsabilidade para outros", acrescentou Grandi.

O comitê de seleção observou que, além de proteger as pessoas que fugiam da guerra, Merkel era a força motriz por trás dos esforços coletivos alemães para receber e integrar os refugiados.

O Prêmio Nansen, concedido anualmente, foi estabelecido em 1954 em homenagem ao primeiro Alto Comissariado da ONU para Refugiados, explorador norueguês do Ártico e humanitário Fridtjof Nansen (1861-1930), para reconhecer realizações notáveis ​​no campo humanitário.

Angela Merkel receberá seu prêmio e os 150.000 dólares (151.500 euros) que o acompanham durante uma cerimônia em Genebra (Suíça) no dia 10 de outubro.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / 360b

Artigos recentes >

Resumo das notícias de 4º de dezembro de 2023

ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >