Reunidos em Lourdes, os bispos esperam sobre a prevenção da violência sexual

bispos pesados

Acompanhamento do relatório Sauvé, ato II: os bispos se reúnem em Lourdes de terça a sexta-feira para votar novas medidas contra a violência sexual na Igreja, enquanto os fiéis aguardam "decisões corajosas" e um relatório apresentado a montante evoca caminhos inovadores.

Novembro de 2021 foi um primeiro marco. Os cerca de 120 membros da Conferência dos Bispos da França (CEF) reconheceram a responsabilidade da instituição e a natureza "sistêmica" dos atos criminosos infantis.

Um primeiro passo, apenas um mês após o relatório da Comissão Sauvé sobre a extensão do pedocrime na Igreja Católica por 70 anos, cuja publicação causou uma explosão.

O episcopado então votou para lançar um órgão de reparação para as vítimas. E criou nove grupos de trabalho, encarregados de refletir sobre as reformas fundamentais, sob a responsabilidade de leigos e com vítimas.

Estes últimos devolveram sua cópia, na forma de um relatório de 270 páginas, recebido por cada um dos bispos em 15 de março.

“Partilha de boas práticas face a casos denunciados”, “acompanhamento de bispos ou padres nas suas funções”, mas também de “contestados”… Balladur, leigo indicado pela CEF para coordenar esse trabalho. "Quando o abuso sexual é cometido, nunca há apenas uma causa."

Lute contra si mesmo

Entre as propostas, várias defendem o "reforço" do lugar dos leigos e em particular das mulheres nas instâncias da Igreja ou na liturgia, medida que permitiria lutar contra a auto-segregação e limitar os riscos de desvios.

“Queremos que haja, como nas empresas, avaliações regulares do exercício da missão dos sacerdotes e bispos”, especifica à AFP Pascal Wintzer, arcebispo de Poitiers. As medidas visam também combater a sua “solidão” na gestão dos negócios e na tomada de decisões.

Duas recomendações se destacam: um grupo de trabalho sugere “pedir” ao Vaticano a possibilidade de permitir que uma mulher se torne diácona (que auxilia o padre durante as celebrações) e ordenar homens casados ​​como sacerdotes.

Estas propostas, no entanto, requerem o acordo do Vaticano. No entanto, o Papa Francisco não reteve a ideia de permitir que homens casados ​​se tornassem padres, mencionada durante o Sínodo da Amazônia em 2019. Segundo Dom Wintzer, que defende esta última ideia, há poucas chances de que 'eles sejam aceitos pelos bispos, a maioria permanecendo "anexados ao quadro atual".

"Vire a página"

Terça e quarta-feira, os bispos trabalharão com 75 membros dos grupos de trabalho, em oficinas, sobre essas propostas. É difícil saber quantos serão colocados em votação no final da sessão.

“Os bispos tiveram pouco tempo para se apropriar do relatório e terão pouco tempo no local”, observa uma fonte familiarizada com o assunto, que teme um desejo por parte de alguns de “virar a página” sobre a violência sexual.

"Esperamos decisões corajosas, claras e eficazes", declara Alix Huon, membro do coletivo leigo "Agir pour notre Eglise", muito atento a esses assuntos. “Existe uma crise muito grave, precisamos de conscientização”.

Na Alemanha, bispos, sacerdotes, religiosos e leigos reunidos em sínodo por quatro anos, não hesitaram em meados de março em se pronunciar a favor da possibilidade de as mulheres se tornarem diaconisas. Eles também pediram ao papa que examinasse a obrigação do celibato para os padres.

O relatório Sauvé estima que 330.000 pessoas com mais de 18 anos foram vítimas, menores de idade, de agressão sexual por um padre, diácono, religioso ou freira, ou um leigo que trabalha na Igreja, desde 1950.

A sessão do outono de 2022 do CEF foi semelhante a uma grande descompactação: seu presidente Eric de Moulins-Beaufort havia revelado a conduta "repreensível" do ex-arcebispo de Bordeaux, o cardeal Jean-Pierre Ricard com uma adolescente. E contou oito bispos eméritos que tinham negócios ou tinham negócios com a justiça.

O Conselho Editorial (com AFP)


Na seção Igreja >



Notícias recentes >

Cultura , Todos os artigos , Atualidades

“Ele terá transportes de alegria para você”: Nosso culto na Présence Protestante com o Pastor Jethro Camille e Paul Olivier em louvor

Todos os meses, no 4º domingo do mês, a Présence Protestante (França 2) oferece aos telespectadores um programa denominado “Nosso culto”. Domingo, 25 de fevereiro, este culto será conduzido pelo Pastor Jethro Camille que pregará sobre o Livro de Sofonias.

Ícone de relógio cinza contornado