Vice-presidente da Igreja Protestante da Argélia condenado a um ano de prisão

Vice-presidente da Igreja Protestante da Argélia condenado a um ano de prisão

Um pastor argelino foi condenado a um ano de prisão, acusado de ter celebrado o culto num edifício não aprovado pelo Estado.

O vice-presidente da Igreja Protestante Argelina (EPA), Youssef Ourahmane, foi condenado em recurso a um ano de prisão e a uma multa de 100 DZD (aproximadamente 000 euros) em 665 de novembro.

Acusado de ter organizado um culto religioso não autorizado em Março num local não autorizado, o pastor encontra-se em violação da lei 03/06 que rege o culto não-muçulmano. Esta lei proíbe qualquer reunião pública em locais sem autorização governamental.

Conforme Foco Evangélico, Youssef Ourahmane planeia recorrer a um tribunal provincial superior para contestar esta decisão.

Pelo menos dez julgamentos em curso contra cristãos argelinos

Atualmente, na Argélia, estão em curso pelo menos dez julgamentos contra cristãos acusados ​​de blasfêmia, prática não autorizada de culto não-muçulmano, aceitação de doações para fazer proselitismo, distribuição de Bíblias ou mesmo agitação à fé dos muçulmanos.

O escritório de Genebra da Aliança Evangélica Mundial (AEM) afirma que estes cristãos enfrentam penas que vão desde multas até prisão.

17 igrejas fechadas pelas autoridades na Argélia

As autoridades argelinas fecharam 17 das 43 igrejas membros da Igreja Protestante da Argélia. Alguns também receberam ordens de encerramento, conforme relatado por Wissam al-Saliby, chefe de defesa do escritório de Genebra de a Aliança Evangélica Mundial (WEA).

Confrontados com esta repressão, os cristãos protestantes foram forçados a reunir-se em casas e espaços abertos em 2021, aguardando uma resposta do governo aos seus apelos para reabrir locais de culto fechados.

Situação preocupante para a EPA e os cristãos 

A Igreja Protestante da Argélia (EPA), única associação reconhecida de Igrejas Protestantes na Argélia, tem 47 membros. Embora tenha sido oficialmente reconhecida como associação religiosa em 1974, teve de voltar a registar-se em 2012, na sequência de uma alteração na lei, sem aprovação das autoridades até agora.

O Islão continua a ser a religião oficial na Argélia, mas desde 2000, milhares de muçulmanos abraçaram a fé cristã. As autoridades argelinas acreditam o número de cristãos em 50. De acordo com outras fontes, poderia haver o dobro.

A Argélia ocupa o 19º lugar no rankingÍndice Global de Perseguição 2023, da ONG Portes Ouvertes que indica que “as autoridades do Estado estão a exercer pressão para restringir a liberdade dos cristãos e a pressioná-los a renunciar à sua fé”.

Salma El Monser

Crédito da imagem: Shutterstock/ Aliimeddah

Na seção Perseguição >



Notícias recentes >