COP28: A Rocha e a SEL apelam à oração pelos países mais vulneráveis ​​ao aquecimento global

8

À medida que se aproxima a 28ª Conferência das Partes (COP28) sobre alterações climáticas, marcada para 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023 no Dubai, A Rocha e o Serviço de Apoio e Ligação (SEL) lançam um apelo à oração pelas nações mais expostas a a crise ambiental. 

A 27ª conferência das partes sobre as alterações climáticas, COP28, terá lugar no Dubai de 30 de novembro a 12 de dezembro de 2023. Uma conferência que tem interesses importantes, tanto do ponto de vista ambiental como humanitário. Nesse contexto, A Rocha e o SEL (Serviço de Ajuda Mútua e Ligação), organizações dedicadas respetivamente à proteção ambiental e à solidariedade internacional, convidam os cristãos a unirem-se em oração pelos países mais vulneráveis ​​ao aquecimento global. Um apelo apoiado pelo Conselho Nacional dos Evangélicos da França (CNEF).

fé em ação

Diante do aquecimento global, surge uma questão ética: como reduzir a pobreza sem agravar a crise ambiental? Porque os mais pobres, embora sejam os que emitem menos gases com efeito de estufa, suportam desproporcionalmente o fardo do aquecimento global. Numa abordagem motivada pela fé “num Deus que confiou ao ser humano a boa gestão da sua criação” e que o chama ao amor ao próximo, A Rocha e a SEL tomam a palavra “em nome de Cristo para defender a causa dos infelizes e dos pobres."

“Rezamos para que os responsáveis ​​reunidos durante estas duas semanas implementem decisões para o bem de todos e em particular dos mais vulneráveis, apesar dos problemas de conflitos de interesses que mancham esta COP”.

Uma implementação difícil

As duas organizações recordam que se “vários compromissos foram assumidos durante muitos anos, incluindo na última COP27”, a sua implementação “continua difícil”.

É por esta razão que apelam aos cristãos para que rezem «pela aceleração da implementação concreta de medidas, em França e no mundo, para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e proteger a biodiversidade, apoiando ao mesmo tempo os mais pobres, aqui e ali, para se adaptarem a esta crise sem que eles suportem desproporcionalmente o fardo.”

Entre os projetos que demoram a ser implementados apesar da sua importância na luta contra o aquecimento global, A Rocha e a SEL identificam três para manter em oração. O fundo verde, destinado a financiar a transição ecológica das nações mais pobres, continua em grande parte subfinanciado, apesar das promessas. O fundo “Perdas e Danos” anunciado na COP27 está a lutar para se concretizar, acentuando as dificuldades das regiões mais afetadas. E, por último, a saída dos combustíveis fósseis, responsáveis ​​por 75% das emissões de CO2, que continua a ser um ponto de discórdia. As organizações pedem orações por uma redução significativa no uso destas energias poluentes.

Igrejas convidadas a rezar no domingo, 3 e 10 de dezembro

“Rezemos pelos países mais pobres que procuram desenvolver-se e reduzir a pobreza”, insistem as duas organizações no final do seu comunicado de imprensa. Se escrevem que estão “bem conscientes dos muitos outros desafios que existem, e que esta crise ambiental se soma às múltiplas crises que o nosso mundo atravessa”, A Rocha e a SEL lembram, no entanto, que “se não forem feitos esforços reais rapidamente "no auge das apostas, corre o risco de suplantar muitos outros".

As duas organizações também instam os locais de culto em França ligados às suas redes a dedicarem um tempo de oração a esta questão premente nos domingos, 3 e 10 de dezembro. 

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Shutterstock/Ricochet64

Na seção Clima >



Notícias recentes >