México: 30 mil evangélicos reunidos em marcha pela paz

méxico_30000_evangelics_gathered_peace_march

Trinta mil cristãos evangélicos participaram de uma marcha pela paz no último domingo no estado de Chiapas, no México. Encontro organizado pela igreja Jesus é o Caminho em resposta à escalada de violência contra os evangélicos no norte do estado.

No domingo passado, na cidade de Tuxtla Gutiérrez, no México, foi realizada uma marcha pela paz organizado pelo Pastor José Pérez Pardo, da igreja Jesús es El Camino (Jesus é o caminho na nota do editor francês).

Segundo o pastor, a marcha foi uma resposta à persistência da violência, principalmente contra cristãos indígenas evangélicos. Foco Evangélico recorda os numerosos episódios de intolerância religiosa vividos pelos cristãos evangélicos no estado de Chiapas.

Em 2019, o dia a dia mencionado a detenção durante quase 24 horas de doze evangélicos que se recusaram a contribuir para uma celebração religiosa católica no distrito local do município de Zinacantán.

Em 2021, Foco Evangélico mencionado também a destruição de cinco casas pertencentes a evangélicos por autoridades locais e católicos tradicionalistas no município de Mitzitón. Segundo o site de informações, desde 1982, cerca de 180 casas de famílias evangélicas foram destruídas só neste município.

O México ocupa a 38ª posição no rankingÍndice Global de Perseguição aos Cristãos 2023 da ONG Portes Ouvertes que indica que embora o país seja predominantemente católico, a perseguição contra os cristãos está, no entanto, a aumentar. Segundo a organização, eles “são percebidos como uma ameaça ao crime ambiental, pois não obedecem às exigências dos grupos armados”. O estado de Chiapas vive uma “violação dos direitos dos cristãos nas comunidades indígenas”.

A marcha, que reuniu vários grupos étnicos, incluindo os Tzotzil e os Chol, também teve como objetivo pedir a Deus que liderasse os líderes governamentais.

O pastor José Pérez Pardo destacou que esta manifestação foi também uma forma de dar glória a Deus pela paz que o Estado vive desde o movimento zapatista de 1994 (movimento que tomou várias cidades de Chiapas ao declarar guerra ao governo para defender a autonomia de povos indígenas Nota do editor).

Melanie Boukorras 

Crédito da imagem: Shutterstock/Públio Furbino (manifestação no Rio, março de 2014) 

Artigos recentes >

Resumo das notícias de 23 de fevereiro de 2024

ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >