Aumento de preço: igrejas do Reino Unido instadas a abrir neste inverno

O aumento dos preços da energia e dos alimentos fez com que as contas domésticas do Reino Unido disparassem. À medida que o inverno se aproxima, e quando muitas pessoas terão que escolher entre aquecer ou comer nos próximos meses, as igrejas de todo o país são convidadas a abrir suas portas para se tornarem locais de boas-vindas calorosas. 

“1 em cada 4 pessoas simplesmente não conseguirá pagar as suas novas faturas de energia em outubro, de acordo com as últimas previsões do Conselho ao Cidadão”, anuncia o site da Boas vindas calorosas (Boas-vindas calorosas na nota do editor francês).

Esta iniciativa nasceu para responder à crise provocada pela subida dos preços. O objetivo é “apoiar e equipar milhares de espaços gratuitos, calorosos e acolhedores em comunidades em todo o Reino Unido”, incluindo igrejas, outros grupos religiosos, organizações da sociedade civil e empresas.

“Queremos ter certeza de que ninguém sofrerá sozinho neste inverno. »

Christian Today indica que a campanha de boas-vindas calorosas é apoiada principalmente pela Igreja da Inglaterra, a Igreja Católica, a União Batista, a Igreja Metodista e o Exército da Salvação. Mais de 1 igrejas já se inscreveram para participar.

Ela também tem o apoio de Gordon Brown, primeiro-ministro do Reino Unido de 2007 a 2010, que acredita que esta crise vai “além da política” e que é uma “questão moral”.

“Esta crise vai muito além da política; é uma questão moral – nossas responsabilidades para com nossos vizinhos e especialmente para aqueles que têm menos e precisam mais. »

Bispo de Durham, Paul Butler, presidente da ChurchWorks Commission, parceira da Warm Welcome, diz que é precisamente o papel das igrejas e grupos comunitários, ajudar aqueles que “precisam de um lugar caloroso e acolhedor” no coração da crise.

Camille Westphal Perrier 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.