Massacre racista em Buffalo: Dez pessoas foram mortas em um supermercado

Em estado de choque, moradores da cidade de Buffalo, no estado de Nova York, prestaram homenagem neste domingo às dez pessoas mortas no dia anterior em um supermercado, a maioria afro-americanos, por um homem branco em um tiroteio descrito pelas autoridades como "um crime de ódio racista".

"Alguns de nós estão muito zangados", disse o pastor T. Anthony Bronner, durante uma vigília em frente ao estacionamento do supermercado Tops, onde um jovem, equipado com uma arma de assalto e uma bala de colete de proteção, disparou na tarde de sábado, matando dez e ferindo três.

Onze das vítimas eram negras e duas eram brancas, neste bairro predominantemente afro-americano de Buffalo, cidade ao norte do Lago Erie, na fronteira com o Canadá.

Joe Biden irá para lá na terça-feira "para compartilhar a dor de uma comunidade que perdeu dez dos seus em um assassinato em massa horrível e sem sentido", anunciou a Casa Branca.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, por sua vez, condenou veementemente os assassinatos, que ele descreveu como um "ato desprezível de extremismo racista e violento", disse seu porta-voz no domingo.

Uma grande multidão se reuniu no local da tragédia no domingo, rezando, colocando coroas de flores e cantando a palavra "unidade", enquanto outra vigília foi realizada em uma igreja onde o prefeito de Buffalo, Byron Brown, disse estar "devastado" por este "ataque racista e violento". ".

O atirador identificado como Payton Gendron, 18 anos, percorreu mais de 300 km de sua residência em Conklin, no sul do Estado, para realizar esse massacre, inclusive realizando "uma operação de reconhecimento" no dia anterior ao incidente, segundo o autoridades.

“Como um garoto de 18 anos consegue uma arma? exclamou à AFP Derryl Long, nascido em Buffalo e residente na cidade vizinha de Chautauqua.

"Não consigo entender o que se passava na cabeça daquele homem, dirigir três horas até aqui, até esse (supermercado) Tops porque ele sabia que era um bairro negro", continuou Long, 67 anos.

"Mancha na alma da América" 

“Esse indivíduo veio com o objetivo de matar o maior número possível de negros”, resumiu Byron Brown em entrevista coletiva.

“As evidências que reunimos até agora não deixam dúvidas de que este é um crime de ódio racialmente motivado e será processado como tal”, disse o chefe de polícia de Buffalo, Joseph Gramaglia.

“Crime de ódio” nos Estados Unidos refere-se a um ato dirigido contra uma pessoa visada por causa de elementos de sua identidade, como raça, religião, nacionalidade, orientação sexual ou deficiência. Considerado um crime federal agravado, acarreta penas mais duras.

"Devemos trabalhar juntos para combater o ódio que continua a manchar a alma da América", martelou Joe Biden em Washington no domingo.

Payton Gendron ameaçou se matar antes de se render à aplicação da lei. Processado por "assassinato premeditado", ele se declarou inocente durante uma primeira aparição perante um juiz.

O jovem carregava uma câmera e transmitia seu crime ao vivo no Twitch mesmo que a plataforma alegasse ter deletado o conteúdo “dois minutos” após o início de sua transmissão.

Ele também publicou um "manifesto" racista de 180 páginas antes dos fatos, segundo a mídia americana.

O jornal Buffalo News também revelou que uma palavra ofensiva, racista e tabu nos Estados Unidos para designar negros havia sido pintada de branco no cano da arma.

"Terrorismo Doméstico" 

"Foi um terrorismo doméstico, puro e simples", disse a procuradora-geral de Nova York Letitia James, que viajou para Buffalo para participar da vigília.

"As redes sociais permitem que esse ódio fermente e se espalhe como um vírus", denunciou por sua vez a governadora do Estado de Nova York, Katy Hochul, originária de Buffalo.

Esse assassinato racista lembra dois outros: o de El Paso, no Texas, em 2019, onde 23 pessoas foram mortas por um ativista de extrema direita, incluindo oito mexicanos e "hispânicos", e o de Charleston, na Carolina do Sul, onde um supremacista branco matou nove fiéis afro-americanos em uma igreja em 2015.

Em ambos os casos, manifestos de ódio foram publicados online antes dos ataques.

Um dia depois desse assassinato, uma igreja na Califórnia foi atacada. Uma pessoa morreu e quatro ficaram gravemente feridas em um tiroteio cuja motivação ainda não é conhecida.

Tiroteios em locais públicos são quase diários nos Estados Unidos e o crime com armas está aumentando em grandes cidades como Nova York, Chicago, Miami ou São Francisco, especialmente desde a pandemia de 2020.

Várias iniciativas de autoridades eleitas para fortalecer as leis de armas falharam no Congresso nos últimos anos, com o poderoso lobby de armas da NRA permanecendo altamente influente.

A equipe editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / JHVEPhoto

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.