Índia: Leis anticonversão continuam a fazer vítimas entre os cristãos

No domingo, dois episódios de violência contra os cristãos ocorreram na Índia, eles são baseados em falsas acusações de tentativa de conversão.

Na Índia, leis anti-conversão que pretendem conter as conversões religiosas pela força e que visam particularmente as minorias religiosas, continuam a fazer vítimas entre os cristãos.

Um pastor pentecostal de uma igreja indiana independente foi preso durante um culto no estado de Madhya Pradesh no domingo (5 de setembro).

“Ele estava liderando a oração com cerca de 30 membros de sua igreja” quando “um grupo de extremistas de direita interrompeu a oração, fazendo falsas acusações de conversão, assustando os fiéis”, relata Sajan K George, presidente do Conselho Mundial Cristãos indianos (GCIC) para Notícias da Ásia.

"Eles então levaram o reverendo Singh para a delegacia", continua Sajan K George. O homem aponta para a nova versão da lei anticonversão de Madhya Pradesh, que está causando um alarmante "ressurgimento de prisões" nesta parte da Índia.

“O reverendo Singh não se envolveu em nenhuma atividade de conversão”, afirma o presidente do GCIC, que acrescenta que as pessoas “são simplesmente atraídas para ouvir a Palavra de Deus”.

No mesmo domingo, outro membro do clero foi severamente espancado em uma delegacia de polícia em relatórios do estado de Chhattisgarh Notícias da Ásia. O ataque ocorreu no distrito de Raipur, onde uma multidão de extremistas hindus atacou o líder da comunidade cristã, acusando-o de obter conversões fraudulentas.

O Conselho Mundial de Cristãos Indianos está protestando contra esta violação da "liberdade de religião", um direito humano fundamental que continua a ser negado na Índia, ainda um país laico.

Camille Westphal Perrier

Crédito de imagem: lakshmipathilucky / Shutterstock.com

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.