Trabalho dominical: Suprema Corte dos Estados Unidos facilita isenção por motivos religiosos

Suprema Corte - Estados Unidos

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos reforçou quinta-feira a possibilidade de ser dispensado do trabalho dominical por motivos religiosos, no processo de fator cristão anexado ao descanso dominical.

O tribunal superior emitiu um julgamento unânime, que foi bem recebido pelos defensores das liberdades religiosas, mas cujo impacto econômico permanece incerto.

Nos Estados Unidos, uma lei proíbe a discriminação religiosa na esfera profissional e obriga os empregadores a buscar adaptações para satisfazer as crenças de seus funcionários, desde que isso não represente um "ônus indevido" para suas operações.

Em 1977, em um julgamento relativo a um funcionário de uma companhia aérea que não queria trabalhar aos sábados, a Suprema Corte decidiu que as disposições previstas em lei não deveriam "infligir mais do que um custo mínimo" aos empregadores.

Na quinta-feira, ela disse que o custo deve ser "operacionalmente substancial", elevando o nível para os empregadores. Ela pediu aos tribunais que reabrissem o processo de Gerald Groff, que a havia apreendido, à luz desse novo critério.

Este cristão evangélico começou a trabalhar nos correios em 2012.

Na sequência de um contrato entre a La Poste e a Amazon, o seu centro de triagem teve de abrir aos domingos para processar as encomendas do gigante da distribuição. Apresentando suas convicções religiosas, ele havia pedido providências para não trabalhar no 7º dia da semana.

Seu empregador tentou satisfazê-lo transferindo-o para outro centro e encontrando colegas para garantir seu plantão dominical, mas Gerald Groff acabou sendo punido por abandonar o cargo.

Em 2019, ele pediu demissão e apresentou queixa por discriminação religiosa. Depois de perder na primeira instância e na apelação, recorreu ao Supremo Tribunal Federal, que lhe concedeu a primeira vitória.

“Espero que esta decisão ajude aqueles que não abrem mão de suas convicções a viver sem medo de perder o emprego”, comentou em comunicado divulgado pelo First Liberty Institute, que defende as liberdades religiosas e os representados na Justiça.

É uma “vitória histórica” que “vai afetar a legislação laboral em todas as empresas do país com mais de 15 trabalhadores”, acrescentou esta organização.

O Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR) o aplaudiu como uma "vitória para os crentes de todas as fés".

O Conselho Editorial (com AFP)

Imagem: Shutterstock

Na seção Internacional >



Notícias recentes >