Portas Abertas: uma retrospectiva de 30 anos de perseguição aos cristãos em todo o mundo

Bilan-PO-30-ans-index-mondial-persecution-chretiens-.png

A ONG Portes Ouvertes, que apoia cristãos perseguidos em todo o mundo, apresentou em 17 de janeiro seu relatório global sobre a violência e a discriminação sofridas pelos cristãos, especialmente nos últimos 30 anos.

É na Maison d'Alsace, em Paris, que Portas abertas apresentou o seu relatório que sai no início de cada ano. O Índice, destinado a parlamentares, mídia e público em geral, compila e analisa desde 1993 a evolução da perseguição no mundo, país por país. Por ocasião deste aniversário tri-decenal, a ONG não só abordou a situação do ano passado, como também as mudanças conhecidas ao longo de 30 anos. E eles geralmente não são positivos.

Fundado em 1955 por Anne Van der Bijl, holandesa mais conhecida como Irmão André, Portes Ouvertes dedicava-se principalmente à perseguição de cristãos em países comunistas. Alguns anos antes da queda da URSS, o regime soviético começou a mudar suas leis e permitiu a importação e impressão de exemplares da Bíblia. Após o colapso da Cortina de Ferro, a preocupação com os cristãos perseguidos deslocou-se para o Oriente Médio, Sudeste Asiático e África, territórios menos conhecidos que a Europa comunista, obrigando as ONGs a repensar a análise das informações.

Um desejo de seriedade metodológica para alcançar padrões acadêmicos

Essa reorientação levou Portes Ouvertes a desenvolver sua ferramenta de análise da perseguição. “A perseguição em muitas outras culturas teve que ser compreendida com precisão, com motivações diferentes. É nesse contexto que o Índice foi criado”, explica a entidade.

Mais de 4 pessoas em todo o mundo estão envolvidas em sua preparação, principalmente trazendo dados de campo, sem distinção entre protestantes tradicionais e denominações cristãs evangélicas, católicos e ortodoxos.

Quatro períodos marcam a evolução do Índice. Os primeiros relatos de 1993 a 1998., basearam-se na publicação dos questionários originais, anuais, com atualizações; aqueles de 1999 a 2001. ofereceu questionário adaptado, acoplado a planilhas; as seguintes verificações cruzadas integradas entre questionários de campo e análises de especialistas externos (2002-2012), o estabelecimento de esferas de vida (2013), o aumento na escala de pontos atribuíveis por questão (2014 a 2016.), e o ajuste da metodologia, bem como a reorganização das questões relativas às esferas da vida.

As esferas da vida agrupam situações em que os cristãos encontram hostilidades (vida privada, vida familiar, vida social, vida civil, vida eclesial), por exemplo rejeição da família, falta de liberdade religiosa, liberdade de mudança de religião, discriminação no acesso à emprego ou saúde, ou liberdade de culto.

Estas revisões regulares foram motivadas pelo desejo de “refletir o mais fielmente possível a realidade da perseguição aos cristãos”. Esta preocupação levou a uma profunda revisão da ferramenta “no sentido de aumentar a sua qualidade académica, a sua transparência e a sua objetividade”, sublinha a ONG.

Esta metodologia, aliada a uma vasta rede de colaboradores, permite à Portes Ouvertes reportar informação detalhada e precisa “até ao nível da aldeia, por exemplo sobre factos de perseguições que não têm repercussão mediática”.

30 anos de evolução na área

Este Índice, que abrange os 50 países mais hostis aos cristãos, vê regularmente a sua classificação ser modificada. No entanto, alguns países ainda estão no primeiro grupo, como Coreia do Norte, Somália e Afeganistão.

Em três décadas, alguns nomes de cristãos foram divulgados em todo o mundo, e os governos ocidentais pressionaram os países de que são cidadãos para conseguir que não fossem executados. As figuras de Asia Bibi, uma mulher paquistanesa - condenada à morte em 2009 na sequência de uma acusação de blasfémia antes de ser libertada em 2019 e acolhida no Canadá -, ou a do pastor iraniano Youcef Nadarkhani - condenado à morte em 2010 por apostasia são as mais conhecidas .

Outros como Slimane Bouhafs, condenado na Argélia por "insultar o Islã e seu profeta" no Facebook ou Ramses Boules Hermina, um copta morto com uma faca no Egito, são menos.

A tendência de perseguição no mundo muçulmano está aumentando em alguns países e diminuindo em outros. Se os cristãos estão sendo atacados por civis no Egito, deve-se notar que o presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi bombardeou um campo do Estado Islâmico na Líbia em 2015, depois que jihadistas decapitaram 20 cristãos coptas.

Sisi não cessa de afirmar que os cristãos são tão egípcios quanto seus compatriotas muçulmanos. Esta abordagem é o oposto de algumas das críticas dirigidas aos cristãos que são considerados estrangeiros em seus próprios países, pelas autoridades ou pela sociedade.

De 40 a 76 países onde a perseguição é forte ou extrema

Se houver desenvolvimentos dentro dos países, por exemplo, o retorno da forte perseguição na China sob Xi Jinping após anos de relativa calma, ou o desdobramento da hostilidade contra os cristãos ao nível do governo na Índia sob o poder do BJP, partido nacionalista ariano, Open A Doors também observa no número de países afetados.

“Em trinta anos, passamos de 40 para 76 países onde a perseguição aos cristãos é forte ou extrema”, lamenta a ONG. Outra causa de preocupação, ela destaca o aumento de mais de 25% em três décadas da pontuação média dos 50 países mais perigosos para os cristãos: a média hoje é de 74 pontos, enquanto a perseguição extrema é de 81 pontos.

África Subsaariana, Ásia Central e América Latina

Essa extensão geográfica e esse aumento no nível de perseguição são amplamente explicados pelo jihadismo. Os islamitas atacam cada vez mais na África, especialmente na África subsaariana: esta região teve apenas um país sofrendo perseguição extrema em 1993, a Somália - contra três hoje - dois com perseguição muito forte - atualmente 12 - e quatro com perseguição forte - 11 segundo ao índice mais recente. Entre os países africanos, 15 desses países entraram no Índice apenas a partir da década de 2010, 12 deles principalmente devido à perseguição islâmica.

Na Ásia Central - exceto no Quirguistão - e na Turquia, a perseguição está crescendo. Mas também em terras tradicionalmente cristãs, como na América Latina, onde certos governos são hostis aos cristãos vistos como dissidentes – por exemplo, na Nicarágua, onde o presidente Daniel Ortega reprime a presença cristã. Portas Abertas também observa que grupos criminosos atacam cristãos vistos como obstáculos às suas atividades: desde 2019, a Colômbia não é mais o único país onde eles atacam cristãos, mas também México, Cuba e Nicarágua.

A ONG aponta que a pandemia de Covid-19 foi uma oportunidade para restringir as liberdades dos cristãos, por exemplo no Qatar ou na China onde nem todas as igrejas foram reabertas quando os confinamentos foram levantados.

Irmão André é falecido em 27 de setembro aos 94 anos.

Jean Sarpedon


Na seção Perseguição >



Notícias recentes >

Cultura , Todos os artigos , Atualidades

“Ele terá transportes de alegria para você”: Nosso culto na Présence Protestante com o Pastor Jethro Camille e Paul Olivier em louvor

Todos os meses, no 4º domingo do mês, a Présence Protestante (França 2) oferece aos telespectadores um programa denominado “Nosso culto”. Domingo, 25 de fevereiro, este culto será conduzido pelo Pastor Jethro Camille que pregará sobre o Livro de Sofonias.

Ícone de relógio cinza contornado