Irã: ONU pede libertação "imediata" de todos os detidos "em conexão com protestos pacíficos"

Shutterstock_2208118655.jpg

A ONU exigiu nesta terça-feira a libertação imediata de milhares de pessoas presas por terem participado de manifestações pacíficas que pontuam o país há semanas e denunciando sentenças cada vez mais duras.

O Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos protesta contra “as autoridades que respondem a estes protestos sem precedentes com crescente dureza”, sublinhou Jeremy Laurence, porta-voz do Alto Comissariado durante o briefing regular da ONU em Genebra.

No domingo, um Tribunal Revolucionário Islâmico de Teerã condenou à morte um manifestante anônimo considerado culpado de "guerra a Deus" e "corrupção na terra", "por supostamente danificar bens públicos", indica o Alto Comissariado, lembrando que a pena de morte deve ser reservado "para crimes de extrema gravidade envolvendo a vontade de matar".

De acordo com o Sr. Laurence, “pelo menos nove outros manifestantes foram acusados ​​de acusações que acarretam a pena de morte”.

Pelo menos 326 manifestantes foram mortos na repressão ao movimento de protesto que abalou o país desde setembro, disse a Iran Human Rights, uma ONG com sede em Oslo, no sábado.

O Irã tem sido palco de protestos desde a morte em 16 de setembro de Mahsa Amini, um curdo iraniano de 22 anos, preso três dias antes pela vice-polícia por violar o rígido código de vestimenta da República Islâmica.

O protesto, parte da rejeição das restrições de vestimenta impostas às mulheres e da indignação suscitada pela morte da jovem, evoluiu para um movimento dirigido contra a teocracia no poder no Irã desde a revolução islâmica de 1979.

Mais de 2.000 pessoas foram acusadas, de acordo com a justiça iraniana. Organizações de direitos humanos no exterior relatam 15.000 prisões, um número contestado pelas autoridades.

"Pedimos às autoridades que libertem imediatamente os detidos em conexão com os protestos pacíficos e retirem todas as acusações contra eles", disse Laurence.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock / DigitalAssetArt

Sobre o mesmo assunto, leia também: 

Testemunho de um pastor iraniano: "A política do regime é profundamente repressiva em relação aos cristãos"

Cristãos iranianos enfrentam uma farsa da justiça


Artigos recentes >

Resumo das notícias de 29 de setembro de 2023

ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >