Aumento de ataques ao laicismo: números que questionam

Shutterstock_355490030.jpg

Desde o último ano lectivo, o uso pelos alunos de sinais destinados ou com conotação religiosa tem vindo a aumentar significativamente, daí a importância assumida pelo tema da "ataques ao secularismo". Passamos assim de 313 denúncias desta ordem em setembro de 2022 para 720 em outubro, mais que o dobro.

Uma pesquisa encomendada ao IFOP pela Fundação Jean Jaurès e Charlie Hebdo, publicado em janeiro de 2021 após o ataque a Samuel Paty e relacionado ao “ desafios ao secularismo e formas de separatismo religioso na escola”, já dava resultados preocupantes. Quase um em cada dois professores (49%) afirma ter sido desafiado em seu ensino sobre questões religiosas; 80% dos professores dizem ter sido confrontados pelo menos uma vez ao longo da sua carreira com uma reclamação relacionada com crenças religiosas (isenção de aulas, menus especiais na cantina, etc.)…

A pesquisa também nos informou, elevando a preocupação ao máximo, que 25% dos professores criticam Samuel Paty por ter ministrado seu curso sobre liberdade de expressão a partir das caricaturas de Maomé.

A publicação em 9 de novembro de 2022 de uma circular ministerial detalha as respostas que as escolas devem dar a esses ataques. Prevê uma gradação de respostas, que vai desde o diálogo com o aluno, primeiro passo obrigatório, até à exclusão, podendo os conselhos disciplinares ser remanejados quando a situação se revelar delicada.

O significado incerto de um fenômeno já antigo

Na verdade, o problema está longe de ser novo. Já era ele quem pretendia resolver o Lei 2004 proibindo o uso visível de símbolos religiosos na escola. No mesmo ano, um relatório da Inspetoria Geral, apresentado por Jean-Pierre Obin (Sinais e manifestações de filiação religiosa nas escolas) já alertava para a importância crescente do fenômeno.

Dois anos antes foi publicada a obra coletiva Os Territórios Perdidos da República, denunciando as crescentes manifestações de antissemitismo por parte de estudantes de origem muçulmana. Desde então, o alarme soou regularmente, especialmente quando foram organizados minutos de silêncio nas escolas em 2015 após o atentado contra Charlie Hebdo foram perturbados ou, mais recentemente, no contexto do assassinato de Samuel Paty.

Os desafios ao princípio do secularismo nas escolas têm, portanto, sido objeto de preocupação pública por pelo menos vinte anos, ou mesmo quase 35 anos, se traçarmos a história de volta ao primeiro negócio do véu na escola, no início do ano lectivo de 1989. No entanto, a própria permanência do fenómeno, o seu regresso periódico ao primeiro plano da cena política e/ou mediática, não deixa de colocar a própria noção de "ataque à secularismo" uma série de problemas.

Como explicar o aumento dos ataques ao laicismo nas escolas? (FrançaCultura, 2022).

A primeira delas é que tal recorrência tende a relativizar a importância do fenômeno. Desde o tempo em que durou e foi denunciado, o progresso quase não foi aparente. 720 relatórios em outubro passado é obviamente muito mais do que os 313 registrados em setembro. Mas, por um lado, este aumento não é tão fácil de interpretar: reflete um aumento objetivo do número de casos de violação do princípio da laicidade ou uma menor reserva por parte dos estabelecimentos em denunciá-los? Por outro lado, em comparação com os 60 estabelecimentos (escolas, colégios, liceus) existentes na França, a proporção permanece baixa.

Coloca-se também a questão de saber se é adequado isolar os comportamentos identificados como “ataques ao princípio da laicidade” de outras manifestações de contestação em geral de uma ordem escolar que um certo número de alunos parece ter mais dificuldade em integrar. Seria também interessante saber quais são os contextos escolares específicos em que estes desafios se verificam: nem todos os estabelecimentos, inclusive em zonas sensíveis, estão igualmente expostos aos mesmos.

Isso permitiria construir representações da realidade muito mais refinadas e circunspectas do que aquelas oferecidas à opinião pública por um determinado discurso político-midiático, e que podem levar a uma dramatização excessiva.

Pesquisas não compatíveis entre si

Os ataques ao secularismo nas escolas são ainda mais difíceis de avaliar, pois pesquisas recentes não apontam todas na mesma direção. Podemos, assim, comparar o levantamento da fundação Jean Jaurès com outro, realizado um ano antes, em janeiro de 2020, pelo CNESCO (Centro Nacional de Estudos dos Sistemas Escolares, agora extinto). Foi intitulado "Laicidade e religião na escola: uma avaliação das atitudes cívicas de alunos do ensino fundamental e médio", e foi realizado com 1 alunos do nono e último ano, 600 professores e 500 diretores.

Mas o que essa pesquisa mostra? Quase exatamente o contrário do que movia a Fundação Jean Jaurès: “dentro da escola, os alunos, e ainda mais os educadores [...] aderem muito ao princípio da laicidade” . Assim, 90% dos alunos do ensino fundamental e 91% dos alunos do ensino médio consideram importante ou muito importante a tolerância entre eles, inclusive em relação a alunos de outra religião; 91% dos alunos (classes de terceiro e último ano juntas) acreditam que os professores os respeitam independentemente de suas crenças ou opiniões.

Por fim, muito poucos diretores (2% no ensino médio, menos de 1% no ensino médio) relatam ter encontrado grandes problemas com o ensino sendo questionado ou os alunos se recusando a participar, por motivos religiosos, de certas atividades escolares. Assim, conclui o relatório do CNESCO, os alunos franceses testemunham uma adesão ao princípio da laicidade definitivamente superior à dos seus congéneres europeus.

Ataques ao secularismo na escola (C dans l'air, 2020).

As disputas do laïcité inegavelmente existem e a investigação da fundação de Jean Jaurès não é invalidada pela da CNESCO sobre a adesão à laicidade. Mas este último é de natureza a atenuar seriamente a impressão desastrosa deixada pelo primeiro e exige cautela quanto às conclusões que dele se podem tirar. Sem sermos surdos a isso, devemos nos distanciar do refrão angustiado que, dos “territórios perdidos da República” à investigação da fundação Jean Jaurès, de 2002 a 2021, nos é cantado. Em outras palavras, devemos nos precaver contra o “pânico moral” que a questão secular tantas vezes parece provocar.

O conceito de "pânico moral", retomado na França em particular por Ruwen Ogien, foi forjado pelo O sociólogo inglês Stanley Cohen. Designa uma reação exagerada a “uma condição, evento, pessoa ou grupo de pessoas [...] designada como uma ameaça aos valores e interesses de uma sociedade”. A definição, convenhamos, adere muito bem à excitação que regularmente provoca a sensação de secularismo ameaçado.

Um problema político ou educacional?

Em suma, coloca-se a questão de saber se todos os “ataques ao secularismo” identificados têm, e inequivocamente, um significado político. Podemos, de facto, considerar que o problema tem também uma dimensão educativa, apelando à implementação de sistemas educativos que tornem estes ataques menos frequentes. De que forma os alunos podem se apropriar das regras da instituição escolar e vivenciar o valor dos valores que ela se propõe a transmitir?

Vamos um pouco mais longe: se a escola deve ser um "santuário", abrigado do que Pascal chamou de "o tumulto do mundo", não é também no sentido de que os alunos ali estejam protegidos de suas próprias andanças, mesmo se fossem anti-seculares, isto é, no sentido de que se pode esperar de uma educação uma aptidão para livrá-los deles? Portanto, não deveríamos questionar criticamente não apenas o significado da expressão "ataques à laicidade", mas também a relevância de uma resposta a esses ataques em termos - mais administrativos do que pedagógicos - de "reportagem"?

Essas questões não devem ser entendidas como a negação de um fenômeno que afeta profundamente a vida dos estabelecimentos onde ocorre. Eles visam simplesmente questionar sua univocidade formulando, em suma, três hipóteses sobre os ataques à laicidade vivenciados pela escola hoje. Primeiro, sua natureza maciça e crescente não é óbvia. Então, dar-lhes sistematicamente um significado político pode ser uma interpretação redutora e prejudicial para uma compreensão detalhada do fenômeno. Por fim, as soluções que reclamam não são sempre e necessariamente, nem sem dúvida mesmo prioritariamente, soluções administrativas e disciplinares, sem que nunca se pergunte como uma comunidade educativa aborda pedagogicamente estes problemas.

Peter Khan, Professor Universitário Emérito, University of Caen Normandie

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Crédito da imagem: Shutterstock/EQRoy

Artigos recentes >

Resumo das notícias de 21 de março de 2023

Pela redação
ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >