Deficiência mental: ainda difícil de navegar no mundo do trabalho

Shutterstock_605858807.jpg

La 33e edição de Semanas de Informação de Saúde Mental abre esta segunda-feira, 10 de outubro, durante duas semanas, com um foco especial este ano nas consequências da crise ambiental. Do recherches mostraram, foi adicionado ao rol de fatores na origem dos transtornos mentais, em plena expansão em um momento em que as consequências da crise sanitária ainda se fazem sentir.

Os transtornos mentais, no total, hoje dizem respeito a um pessoa em oito (13% da população mundial) de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). E as pessoas que sofrem com isso, além de um problema de saúde, também sempre encontram dificuldades no mercado de trabalho, tema de nossa recente recherches.

Notemos já que a coisa parece particularmente problemática, emprego sendo particularmente benéfico no manejo desses distúrbios. Ela estrutura o ambiente do indivíduo, desperta nele um sentimento de pertencimento, dá-lhe objetivos e contribui para sua independência financeira.

Nosso trabalho se baseia na sociologia de Bourdieu e mostra como as normas sociais, bem como as estruturas das quais surgem e que garantem sua perpetuação, constrangem a participação das pessoas com deficiência mental no mercado de trabalho.

Dificuldade de socialização, desvalorização

Em suas obras como A distinção ou Reprodução, Pierre Bourdieu explicou a posição dos indivíduos no espaço social a partir do conceito de “capital”. Designa, assim, os recursos utilizados pelos indivíduos para se posicionarem no espaço social. Há certamente sua renda, seu "capital econômico", mas também toda a rede em que pode contar, o "capital social", e os conhecimentos, elementos de linguagem ou referências intelectuais que domina e que são socialmente valiosos, ou seja, “capital cultural”.

[Quase 80 leitores confiam no boletim The Conversation para entender melhor os principais problemas do mundo. Inscreva-se hoje]

O que nosso artigo demonstra, com base em 257 questionários enviados à Europa, Ásia, Oceania e América do Norte, é que pessoas com transtornos mentais vivenciam uma desvalorização desses diferentes ativos no trabalho. No que se refere ao capital social, por exemplo, dizem que enfrentam dificuldades para se socializar e construir relações sociais no ambiente de trabalho. Um entrevistado testemunha:

“Há uma necessidade de ser sociável aqui, eu não sou, eu deveria largar este emprego. »

As regras sociais são mal compreendidas e podem levar a comportamentos inadequados por parte das pessoas. Outra participante admite ser muito apegada aos colegas. Controlar suas emoções se torna cada vez mais complicado e a sensibilidade ao estresse aumenta:

“Não consigo controlar minhas emoções, choro, fico com raiva, tenho ataques de pânico. »

As normas do domínio do emprego parecem, de facto, estar em descompasso com o funcionamento das pessoas com deficiência mental. É daí que vem a desvalorização do capital.

Internalização, ocultação

O que essas respostas também provam é que as pessoas com deficiência psiquiátrica estão cientes de sua incapacidade de se adequar às normas do grupo dominante (pessoas sem deficiência psiquiátrica). Eles tentarão se adaptar a ela, em vez de pedir ao mercado de trabalho que integre suas especificidades. Essa falta de adaptação constitui, no sentido de Bourdieu, uma forma de “violência simbólica” contra essas pessoas.

“Não consigo me adaptar ao mundo do trabalho e eles não se adaptam a mim, então acho que fiquei de fora. »

As pessoas internalizam, legitimam e normalizam sua posição desfavorecida, culpando-se por não cumprir essas normas, em vez de questionar as estruturas sociais que causam as dificuldades que encontram.

“O que você quer que eu te diga? Que corro o risco de me ausentar com frequência? Que eu possa precisar de pausas para não ter que ir para casa mais cedo? Como isso tem uma chance de combinar com o trabalhador ideal? Eu nunca vou conseguir uma promoção. »

Esta internalização reforça as dificuldades de participação no emprego, em particular levando as pessoas a esconderem as suas desvantagem para evitar qualquer desvalorização. Os esforços dedicados a ocultar os problemas têm efeitos contraproducentes, em particular, criam uma má interpretação por parte dos colegas do comportamento profissional apresentado:

“Meus colegas acham que sou preguiçoso, rude e egoísta. »

Conscientização, solução

Que soluções? Em nossa opinião, o estigma persistente em torno dos transtornos mentais exige que gestores e colegas estejam cientes dessas questões. Trata-se de reduzir as crenças negativas e encorajar as pessoas a falar abertamente sobre suas dificuldades.

Para que as organizações reconheçam esses distúrbios, forneçam acomodações no local de trabalho e garantam que todos os funcionários estejam cientes das políticas e práticas em vigor, esses são os caminhos para a melhoria que identificamos. Como as pessoas desconhecem as normas que orientam suas ações, isso também pode significar, por exemplo, tentar tornar seu local de trabalho mais inclusivo, oferecendo arranjos de trabalho mais flexíveis, mudando o design do trabalho ou dando às pessoas a escolha de como preferem se comunicar. A inclusão de pessoas com doença mental na criação de políticas e práticas sobre o tema é suscetível de garantir mudanças duradouras.

Por fim, as próprias pessoas com deficiência mental poderiam ser conscientizadas da existência dessas normas sociais e treinadas para questioná-las por meio de oficinas destinadas a trabalhar seu "locus de controle", ou seja, suas crenças sobre o que determina os acontecimentos de sua vida profissional. vida.

Sarah Richard, Professor-pesquisador em RH, diretor de bacharelado na EM Strasbourg, Universidade de Estrasburgo; Mustafá Ozbilgin, Professor de Comportamento Organizacional, Brunel University London et Sophie Hennekam, Professor-Pesquisador em Gestão, Escola de Negócios de Rennes

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.


Artigos recentes >

Resumo das notícias de 24 de março de 2023

ícone de relógio cinza contornado

Notícias recentes >