Após a eliminação de Ayman al-Zawahiri, a Al-Qaeda ainda representa uma ameaça?

O governo americano acaba de anunciar que Ayman al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda e mentor dos ataques de 11 de setembro de 2001, foi morto por um drone em Cabul, capital do Afeganistão.

Al-Zawahiri foi o sucessor de Osama bin Laden. Sua morte permite que as famílias dos mortos nos ataques de 2001 "virem a página", disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, durante um endereço televisionado o 1er Agosto 2022.

Este assassinato direcionado ocorreu quase um ano depois que as tropas dos EUA deixou o Afeganistão depois de décadas de luta neste país. Qual será o impacto da eliminação do líder da Al-Qaeda, e o que essa operação diz sobre a luta contra o terrorismo realizada pelos Estados Unidos no Afeganistão sob o regime talibã? A conversa perguntou Daniel Milton, especialista em terrorismo da Academia Militar dos Estados Unidos em West Point, e Haroro J. Ingram et André Minas, pesquisadores do Programa sobre Extremismo da Universidade George Washington, para fornecer os primeiros elementos de uma resposta a essas perguntas.

Quem foi Ayman al-Zawahiri?

Ayman al-Zawahiri, nascido em 1951 no Egito, tornou-se o principal líder da Al-Qaeda em 2011 após a eliminação de seu antecessor, Osama bin Laden, em um verão de operação americana.

Nos anos anteriores à morte de Bin Laden, muitos líderes da Al-Qaeda foram mortos por Ataques de drones dos EUA no Paquistão, e Bin Laden tinha encontrou cada vez mais dificuldades exercer controle real sobre a rede global em que sua organização se tornou.

Em 2011, Al-Zawahiri sucedeu a Bin Laden, apesar de uma reputação mista. Apesar de estar há muito tempo envolvido na luta jihadista, era considerado por muitos observadores e, também, por alguns jihadistas como um orador soporífero, sem qualificações religiosas formais ou experiência no campo de batalha.

Significativamente menos carismático que seu antecessor, Al-Zawahiri era conhecido por sua tendência a lançar em longos discursos sinuosos e muitas vezes arcaica. Ele também lutou para afastar os rumores de que ele era um informante autoridades egípcias durante sua permanência na prisão em seu país de origem (1981-1984) e, como o jornalista Lawrence Wright explicou, ele complicou as relações entre o jovem Bin Laden e seu mentor, Abdullah Azzam.

A influência de Al-Zawahiri foi ainda mais enfraquecida pela Primavera Árabe que varreu o norte da África e o Oriente Médio : A Al-Qaeda parecia então desconectada dos eventos e incapaz de explorar efetivamente a eclosão da guerra na Síria e no Iraque. Tanto para analistas quanto para seus jihadistas, Al-Zawahiri apareceu como o símbolo de uma Al-Qaeda ultrapassada e rapidamente eclipsada por outros grupos que havia uma vez ajudou a se estabelecer no cenário mundial, incluindo o Estado Islâmico.

Quem foi Ayman Al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda? • França 24, 2 de agosto de 2022.

Mas com o colapso do califado do grupo Estado Islâmico em 2019, o retorno ao poder no Afeganistão dos talibãs, aliados da Al-Qaeda, e a persistência das subsidiárias da Al-Qaeda especialmente na África, alguns especialistas afirmar que Al-Zawahiri guiou a Al-Qaeda em seu período mais difícil e que o grupo continua sendo uma ameaça poderosa. Um alto funcionário do governo Biden disse à Associated Press que no momento de sua morte, Al-Zawahiri continuou a exercer "liderança estratégica" e foi considerado uma figura perigosa.

Onde sua morte deixa a Al-Qaeda?

O assassinato ou captura de líderes terroristas importantes tem sido uma ferramenta fundamental na luta contra o terrorismo há décadas. Estas operações permitem retirar os líderes terroristas do campo de batalha e provocar a lutas de sucessão que interrompem a coesão do grupo e podem expor suas vulnerabilidades de segurança. Ao contrário do Estado Islâmico, cuja práticas de sucessão de liderança são claras e foram implementadas quatro vezes desde a morte de seu fundador Abu Mussab al-Zarqawi em 2006, as da Al-Qaeda são bastante opacas. O sucessor de Al-Zawahiri será apenas o terceiro líder do movimento desde sua criação em 1988.

Le pretendente principal é outro egípcio. Ex-coronel do exército egípcio e, como Al-Zawahiri, membro da Jihad Islâmica Egípcia, afiliada à Al-Qaeda, Saif al-Adel está ligado aos atentados de 1998 contra as embaixadas dos EUA na Tanzânia e no Quênia, que tornaram a Al-Qaeda uma ameaça jihadista global. Sua reputação como especialista em explosivos e estrategista militar lhe rendeu popularidade real dentro do movimento Al-Qaeda. No entanto, uma série de outras possibilidades espreitam por trás de Al-Adel: um recente Relatório do Conselho de Segurança das Nações Unidas identifica vários possíveis sucessores.

Seja como for, a Al-Qaeda está hoje numa encruzilhada. Se o sucessor de al-Zawahiri for amplamente reconhecido como legítimo tanto pelo núcleo duro da al-Qaeda quanto por seus afiliados, ele poderá ajudar a estabilizar o movimento. Mas qualquer ambiguidade sobre o plano de sucessão da Al-Qaeda pode levar ao questionamento da autoridade do novo líder, o que pode fraturar ainda mais o movimento.

Há todas as razões para acreditar que a Al-Qaeda como um movimento global sobreviverá à morte de Al-Zawahiri, assim como sobreviveu à de Bin Laden. A rede teve vários sucessos recentes. O Talibã, seus aliados de longa data, conseguiu assumir o controle do Afeganistão com a ajuda deAl-Qaeda no subcontinente indiano – uma subsidiária que atualmente está expandindo suas operações no Paquistão e na Índia. Enquanto isso, grupos afiliados no continente africano – do Mali e da região do Lago Chade à Somália – continuam sendo uma ameaça, com alguns expandindo para além de suas áreas tradicionais de operações.

Outros grupos afiliados, como a Al-Qaeda na Península Arábica, com sede no Iêmen, permanecem leais ao núcleo duro e, segundo a equipe de monitoramento da ONU, estão ansiosos para renovar os ataques no exterior contra os Estados Unidos, United e seus aliados.

O sucessor de Al-Zawahiri procurará manter a fidelidade dos afiliados da Al-Qaeda para que continue a representar uma ameaça real.

O que essa eliminação nos diz sobre as operações dos EUA no Afeganistão sob o Talibã?

A retirada dos EUA do Afeganistão em agosto de 2021 levantou questões sobre a capacidade dos Estados Unidos de manter a pressão sobre a Al-Qaeda. Estado Islâmico em Khorassan e os demais jihadistas presentes no país.

autoridades dos EUA têm Eu expliquei que uma estratégia além do horizonte – iniciando ataques cirúrgicos e operações especiais de fora de um determinado estado – permitiria aos Estados Unidos responder a desafios como preparativos para ataques terroristas e o ressurgimento de grupos armados.

Mas muitos especialistas não são desta opinião. E quando um erro de ataque de drone americano matou sete crianças, um trabalhador humanitário empregado nos EUA e outros civis no outono passado, esta estratégia está sob escrutínio.

Mas para aqueles que duvidavam que os Estados Unidos ainda tivessem vontade de enfrentar os principais terroristas no Afeganistão, o assassinato de Al-Zawahiri oferece uma resposta clara. Esta greve teria envolvido o monitoramento de longo prazo do líder da Al-Qaeda e sua família, e extensas discussões dentro do governo dos EUA antes de receber a aprovação presidencial. Joe Biden afirma que a eliminação de Al-Zawahiri não causou outras vítimas.

Deve-se notar, no entanto, que levou onze meses para os Estados Unidos atingirem seu primeiro alvo de alto valor no Afeganistão sob o regime talibã. Isso contrasta com o centenas de ataques aéreos feitas nos anos que antecederam a retirada dos EUA em agosto de 2021.

O ataque ocorreu em um bairro de Cabul, onde residem muitos líderes do Talibã. O esconderijo em si pertencia a um associado de alto escalão de Sirajuddin Haqqani, um terrorista procurado pelos Estados Unidos e um alto líder talibã.

Dar ajuda a Al-Zawahiri constituiu uma violação doacordo de doha de 2020, segundo o qual o Talibã concordou em “não cooperar com grupos ou indivíduos que ameacem a segurança dos Estados Unidos e seus aliados”. As circunstâncias do ataque sugerem que, se os Estados Unidos realizarem operações eficazes "além do horizonte" no Afeganistão, não posso contar com Apoio talibã.

A eliminação de Al-Zawahiri também não nos diz se a estratégia americana após a retirada pode conter outros grupos jihadistas na região, como o Estado Islâmico em Khorassan, que se opõe ferozmente ao Talibã e à sua expansão no Afeganistão.

De fato, se mais jihadistas perceberem que o Talibã é fraco demais para proteger os principais líderes da Al-Qaeda e seus afiliados, embora incapaz de governar o Afeganistão sem a ajuda dos EUA, muitos deles podem ver o Estado Islâmico em Khorassan como a melhor escolha.

Essas e outras dinâmicas ilustram os muitos desafios de buscar o contraterrorismo no Afeganistão hoje – desafios que dificilmente serão resolvidos por ataques ocasionais de drones de alto nível e assassinatos.

Haroro J. Ingram, Pesquisador Sênior do Programa de Extremismo, Universidade George Washington; André Minas, Pesquisador do Programa de Extremismo, Universidade George Washington et Daniel Milton, Diretor de Pesquisa, Academia Militar dos Estados Unidos West Point

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Crédito da imagem: Creative Commons / QuotePark

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.