Amal e George Clooney unem forças com as vítimas do genocídio yazidi perpetrado pelo Daesh no Iraque

É um incentivo e uma vitória para as milhares de mulheres Yazidi escravizadas pelo Estado Islâmico.

Amal Clooney, esposa de George, confirmou que representará as vítimas do genocídio Yazidi, bem como Nadia Murad, ex-escrava sexual do Daesh, agora trabalhando para Yazidis perseguidos e indicada para o próximo Prêmio Nobel da Paz.

Com apenas 19 anos, Nadia Murad, como suas irmãs e primas, experimentou o horror do cativeiro, tortura, abuso sexual, fuga e finalmente exílio.

“O estupro foi usado por ativistas para destruir mulheres e meninas e para garantir que essas mulheres nunca mais tivessem uma vida normal novamente. »Ela disse ao Daily Mail.

Nadia é agora uma refugiada na Alemanha. Ela decidiu conte sua história e a de seu povo na ONU, para acabar com o horror do genocídio.

Depois de meses viajando pelo mundo, implorando a líderes políticos para ajudá-lo em sua luta, o casal Clooney finalmente aprendeu sobre seu trabalho.

“Amal e George me receberam em sua casa e abriram seus corações… Eles ouviram minha história com paixão. "

Foi assim que Amal decidiu usar suas habilidades de advogada em direito internacional, com especialização em direitos humanos e a notoriedade de seu casal, para ampliar a mensagem de Nádia. Ela disse isso para o New York Times :

"Como é possível que os crimes mais graves da humanidade estejam sendo cometidos diante de nossos olhos, sem qualquer intervenção do Tribunal Penal Internacional de Haia?" "

O Parlamento Europeu, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, o governo dos Estados Unidos e a Câmara dos Comuns britânica reconheceram a existência do genocídio perpetrado pelo Daesh no Iraque contra a minoria yazidi. No entanto, nenhuma ação da comunidade internacional foi tomada para impedi-lo.

Amal atuará ao lado de Nadia Murad, e a associação Yazda, uma organização sem fins lucrativos que apóia as vítimas do genocídio desde 2014, para solicitar uma investigação do Tribunal Penal Internacional e o julgamento de crimes cometidos contra a minoria Yazidi.

Os combates no Iraque já resultaram na morte de cerca de 5 civis, na escravidão de mais de 000 mulheres e meninas e no deslocamento de 2 pessoas da região de Sinjar, da planície de Nínive e da Síria.

HL

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.