Abuso Sexual na Igreja Católica: Uma Longa História

No início de abril, a Comissão de Reconhecimento e Reparação anunciado uma escala de 1 a 7 definida para pessoas que foram abusadas sexualmente por membros da Igreja Católica na França. Esses valores variará de 5 a 000 dependendo de diferentes critérios.

Essas decisões seguem várias investigações realizadas após a publicação do relatório da Comissão Independente sobre Abuso Sexual na Igreja (CIASE). Além do eco recebido na imprensa e na opinião pública, essa comissão quis conciliar a escuta das vítimas, apuração dos fatos ao longo de 70 anos e auditoria das respostas dadas pela instituição. As contribuições da pesquisa Sauvé coincidem com outros trabalhos já realizados no exterior.

Os relatórios do Grande Júri em Pensilvânia (EUA) e em Alemanha em 2018, a renúncia dos 34 bispos chilenos em 2019, já havia revelado a extensão dos crimes cometidos dentro da Igreja Católica e o número considerável de vítimas.

Uma cronologia de atitudes

Além dos números assustadores de vítimas, agressores e testemunhas, o aspecto "massivo" e “sistêmico” violência sexual na Igreja. Aqui fica um linha do tempo de atitude : assim nos anos 1950 e 1960, tratava-se de preservar a Igreja distanciando criminosos e mantendo as vítimas em silêncio, então a questão desapareceu antes que, nos anos 1990, timidamente, a atenção às vítimas começou a surgir seguida de reconhecimento parcial dos anos 2010.

Enquanto uma das principais associações de vítimas, a dos abusos do padre Preynat, fundada em Lyon em 2015, se chama "A Palavra Libertada", a publicação paralela de uma coletânea, intitulada “De vítimas a testemunhas”, marca a mudança de perspectiva que começou.

Pela primeira vez, reconhecemos e tornamos públicas as palavras das vítimas, o que contrasta com o longo silêncio e a longa cegueira na medida dos abusos. À medida que cresce a preocupação com o problema de abuso sexual, a instituição há muito tempo favorece uma resolução interna de abusos, muitas vezes se opõe à judicialização e promove amplamente uma política de transferência de funcionários inadimplentes. Ela também se dedica mais sacerdotes culpados do que às vítimas, enquanto a Igreja parece ser o segundo lugar na França em violência sexual para as crianças, após a famille.

Outra comissão pioneira

A convocação de uma comissão para enfrentar um profundo divórcio entre a opinião e a imagem da Igreja não é novidade. A escolha da CIASE, comissão desejada pelos bispos e dirigida por um católico reconhecido, inspira-se no sucesso de outra comissão idêntica dirigida pelo historiador René Rémond.

Em 1992, fortemente contestado pela mídia, o Primaz da Gália, Monsenhor Decourtray, escolheu uma comissão de inquérito "independente" sobre "O Caso Touvier". Pauk Touvier, líder da milícia em Lyon, suprime a resistência e persegue os judeus ao lado dos alemães. Ele participou da prisão dos cônjuges Victor e Hélène Basch, mortos pouco depois, e escolheu pessoalmente os judeus executados em Rillieux-la-Pape em junho de 1944.

Condenado à morte na Libertação, escapou da justiça graças à cumplicidade dentro da Igreja. Uma soma de iniciativas individuais mais do que uma política voluntária e uma mistura indesejada de misericórdia, ignorância de questões políticas e, às vezes, proximidade ideológica contra-revolucionária, favoreceram sua fuga. O historiador René Rémond acrescentou que um concepção demasiado clerical havia trancado os clérigos em um apoio criminal que esquecia as vítimas.

No entanto, o confinamento das autoridades eclesiásticas em lógicas internas que, ao esquecer a vítima, privilegia a atenção aos clérigos culpados, também atua nos abusos sexuais e favorece a escala dos crimes. Se o relatório Touvier revelou a história das proteções concedidas ao miliciano Touvier, permitiu à Igreja pôr fim ao escândalo.

A apresentação de tal relatório por ocasião de um escândalo que põe em causa a instituição permite criar um ano zero, um antes e um depois. Os bispos esperavam renovar o sucesso do relatório Touvier com o CIASE?

Um relatório que produz um choque, e depois?

Se ainda é cedo para identificar plenamente o impacto do relatório do CIASE sobre os fiéis, além do sofrimento de estar associado a uma comunidade manchada por esses crimes e traída por clérigos que deveriam orientá-la para a salvação, três atitudes parecem estar emergindo: resistência de alguns crentes, que lamentam a criação do comitê, enquanto outros se perguntam sobre o local e papel do clero. Então emerge “Cristãos sem Igreja”. Sem romper com a fé, esses crentes, por objeção de consciência, desvinculam-se dos ritos e da instituição. Não se trata necessariamente de uma contestação da crença, mas de uma recusa em se inscrever em um alguma forma de organização da fé.

Essa terceira via dará à luz um “terceiro homem”? Sob este mandato, o jesuíta François Roustang evocado em 1966 o surgimento de crentes que adotaram um “desinteresse” institucional para viver melhor sua fé de forma mais espiritual.

Se o reconhecimento das vítimas não parece mais ser questionado, essas posições refletem interpretações divergentes. Se os padres abusivos são casos isolados, basta excluí-los. As maçãs podres não põem em causa nem a santidade da Igreja nem a sua organização e doutrina. Se os abusos são “sistêmicos”, como demonstrado pelo CIASE, surgem dúvidas, pelo menos, sobre a autoridade e seu exercício dentro da instituição. O desafio, além do relatório Sauvé, é debater uma certa ideia de Igreja.

Uma concepção clerical da Igreja

Este último já sofreu um grande número de reformas no que diz respeito ao seu clero. O mais importante talvez seja o que aconteceu no Conselho de Trento (1545-1563) em resposta à Reforma Protestante, que entre outras coisas denunciou a indignidade de certos clérigos. O Papado então escolheu confiar no clero para realizar o Reforma católica e a reconquista espiritual da Europa.

Essa escolha rejeita a concepção protestante do sacerdócio – o sacerdócio universal dado a todos pelo batismo – e exalta a exemplaridade do sacerdote.

Se o relatório do CIASE não questiona o catolicismo como fé, o fracasso da Igreja docente mina uma certa concepção da Igreja. Entre as explicações apresentadas, a comissão Sauvé, como no relatório Rémond, revela de fato uma “excessiva sacralização da pessoa do padre” e uma “perversão da obediência”. A crise dos abusos sexuais marca um possível questionamento de uma organização baseada em uma casta especializada sem que seja possível determinar até onde irá a “desvalorização do sacerdócio”.

Que reputação para a Igreja?

A Igreja é uma das fontes morais reconhecidas da sociedade. Em virtude de seu direito de primogenitura, que é um direito de antiguidade histórica, o catolicismo continua a afirmar sua precedência numérica e histórica e reivindica para inspirar a vida social.

A aposta deste “reconhecimento” é a recomposição das relações mantidas entre as expressões religiosas no país e o seu lugar nas instituições públicas (exército, escola, hospitais, prisão). Quando o capelão se revela um abusador, podemos manter a confiança em seu empregador?

Os católicos afirmam participar da elaboração das normas e valores do viver juntos. Mas essa reivindicação socioética no cerne das batalhas travadas pela Igreja Católica nos últimos anos – os movimentos pró-vida e a rejeição do aborto, a rejeição do casamento homossexual, a oposição à procriação medicamente assistida e à adoção pela mesma – casais sexuais – fica abalada com o relatório do CIASE. Em França, o Manif pour Tous em 2012-2013 concretizou este requisito. Sua defesa da família, ilustrada pelo slogan "Pai, mãe e filhos, é natural", rompe com a revelação dos crimes "familiares" e o silêncio que os cercava.

Frederic Gugelot, Professor de História Contemporânea, Universidade de Reims Champagne-Ardenne (URCA)

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.