Suprema Corte dos EUA concede vitória a escolas religiosas

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu na terça-feira a favor das escolas religiosas em um caso envolvendo dinheiro, religião e liberdade de educação.

Em termos concretos, seus seis juízes conservadores invalidaram um esquema de subsídio em vigor no estado do Maine (nordeste) considerado "discriminatório contra a religião". Ele “viola a Primeira Emenda da Constituição”, que garante a liberdade de praticar a religião, escreveu o chefe do tribunal John Roberts em seu nome.

Os três juízes progressistas manifestaram forte desacordo, lembrando que esta emenda também proíbe o Estado de promover “o estabelecimento de uma religião”, ou seja, de financiar igrejas. “O risco de conflito social por motivos religiosos aumenta quando o governo promove a religião em suas escolas públicas”, argumentou o magistrado Stephen Breyer.

O caso diz respeito a um mecanismo criado no Maine, um estado pouco povoado: para compensar a ausência de escolas públicas de ensino médio em metade de seus distritos escolares, as famílias recebem ajuda que pode usar para enviar seus filhos a estabelecimentos de sua escolha.

Até agora, podiam optar por escolas públicas ou privadas, dentro ou fora do Estado, e até mesmo por escolas filiadas a igrejas, desde que o ensino ali não fosse orientado pelo “prisma da fé”.

Duas famílias cristãs evangélicas tomaram medidas legais para poder usar esses recursos públicos para enviar seus filhos para escolas denominacionais excluídas do sistema.

Uma dessas escolas “ensina aos filhos que o marido é o chefe da família” e que “Deus é o criador do mundo”, a outra usa a Bíblia em todas as disciplinas. Ambos misturam instrução religiosa e acadêmica e recusam estudantes e funcionários gays, de acordo com documentos judiciais.

Na audiência em dezembro, os juízes conservadores, que proferiram inúmeras decisões a favor das liberdades religiosas nos últimos meses, estavam preocupados que "funcionários públicos" em um escritório pudessem "discriminar as crenças religiosas minoritárias, aquelas que não são heterodoxas.

Este arquivo faz parte de um debate mais amplo, atualmente muito animado nos Estados Unidos, sobre o lugar dos pais no sistema escolar. Cristalizou-se na obrigatoriedade do uso de máscara contra o Covid no auge da pandemia, mas também nos ensinamentos antirracistas postos em prática após as grandes manifestações do verão de 2020 ou no lugar de estudantes homossexuais ou transexuais.

A decisão também vem antes de uma decisão há muito aguardada que pode enterrar o direito ao aborto nos Estados Unidos.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock.com/Steve Heap

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.