A queda de Mayapan ou as consequências políticas de uma crise climática [OPINIÃO]

A França e grande parte da Europa Ocidental estão atualmente passando por uma grave seca. Além das disputas sobre o impacto da atividade humana no aquecimento global e as respostas políticas a serem fornecidas, a história das civilizações desaparecidas é rica em lições. Uma equipe multidisciplinar de cientistas acaba de publicar suas conclusões após analisar os restos mortais de Mayapan, a capital política dos maias do período pós-clássico. A era pós-clássica oferece a vantagem de estar mais próxima no tempo e as descobertas feitas pelos cientistas (veja o estudo publicado pela Nature no link) confirmam os testemunhos que os espanhóis recolheram durante a conquista do México no século XVI.

Mayapan foi o centro de uma poderosa confederação ao norte da Península de Yucatán de 1100 até sua queda. O fim do período clássico, a Idade de Ouro maia, por volta do ano 1000, é motivo de controvérsia entre os arqueólogos. Mas a razão do seu súbito abandono, pouco depois de 1450, parece ser consequência de um longo e catastrófico período de seca. O fato é que esse abandono deslocou o centro de gravidade da civilização maia para o norte, mais próximo do mar.Os recursos marítimos compensaram em parte a menor colheita de milho, alimento fundamental da região. Arqueólogos correlacionam a falta de chuva com uma sangrenta guerra civil que precipitou a queda da civilização maia.

Esta história não é apenas um alerta, mas também mostra que as sociedades humanas apresentam uma grande capacidade de adaptação. Não faltam anais e calendários maias que contam a queda da grande cidade (cuja população foi estimada em 20000 em seu auge). Vários documentos foram guardados e estudados por religiosos espanhóis (Pe. Diego de Landa, por exemplo). Sucessivas crises políticas são registradas em cada geração, começando com um período de "guerra e terror" no início do século XIV.nd século entre grandes famílias governantes, seguido de repressão contra o clã rebelde, um êxodo da população e a descentralização das decisões para acabar com o massacre da dinastia governante por volta de 1450 e o abandono da cidade pouco depois. As escavações descobriram valas comuns provando vários massacres que não eram sacrifícios rituais. Os corpos às vezes eram desmembrados, demonstrando um desejo de aniquilação, enquanto as sociedades maias eram tradicionalmente muito codificadas e respeitadoras da ordem estabelecida. Enquanto as guerras contra cidades rivais eram comuns, os conflitos internos eram mais raros. A análise comparativa de ossos de diferentes épocas e de seus locais de sepultamento permite dizer que as mortes por guerras civis representaram menos de 6% em média das mortes durante o período de prosperidade de Mayapan até 1250, enquanto as guerras externas causaram cerca de 25 % de mortes. Um século depois, por volta de 1350, os conflitos internos causaram quase 15% das mortes. Algumas décadas depois, por volta de 1400, revoltas internas e distúrbios em Mayapan levaram à morte de quase 53% da população… As covas mais recentes contêm os restos do clã governante. Eles são rasos e há cerâmica quebrada representando divindades. Essa profanação é marcante em uma sociedade maia onde política e religião estavam intimamente ligadas...

Se os anais maias registram a fome decorrente da falta de chuva necessária para o cultivo do milho, os cientistas buscaram provas usando as mais modernas tecnologias. As concreções das cavernas constituem verdadeiros arquivos paleoambientais. No entanto, a análise de isótopos estáveis ​​de oxigênio nos espeleotemas (nome científico de concreções minerais semelhantes a estalactites) que pontilham uma caverna, e o estudo da salinidade da água de um pequeno lago - ambos ruínas próximas - comprovam que as chuvas foram abundantes até o final do século XIII. A partir do início do século seguinte, detectou-se um período de seca, cujos efeitos catastróficos são evidentes por volta de 13. A fome exacerbou as tensões políticas entre clãs rivais levando à queda do prestígio da autoridade e ao abandono da cidade.

Os maias deste período conseguiram se adaptar mostrando notável resiliência. Formando grupos menores, eles se aproximaram do mar para aproveitar seus recursos naturais e rotas comerciais. Mas a última confederação havia caído e, apesar da resistência inicialmente feroz, os maias não tinham mais uma estrutura que lhes permitisse repelir o invasor. Os países “emergentes” que dependem da agricultura com uso intensivo de água enfrentam agora um grande risco político. Mayapan é um alerta para os líderes de 2022…

Ludovic Lavaucelle

Fonte: Natureza

Este artigo foi publicado em Seleção do dia.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.