A incrível atuação de Karim Benzema no Real Madrid [OPINIÃO]

Mesmo que você não se importe com futebol, leia este LSDJ. Porque o esporte tem paixões que a razão ignora. Do outro lado dos Pirineus, a imprensa não consegue acreditar: « Deus desce e explica », encabeçou na quinta-feira passada o Marca, o equivalente ao L'Équipe. Na véspera, o estádio Santiago-Bernabéu foi palco de um evento que até a AFP descreveu como « quase sobrenatural ".

Naquela noite, em seu covil, Real Madrid enfrenta Manchester City por vaga na final da Liga dos Campeões. O Chelsea – que Roman Abramovich acabou de vender por US$ 5 bilhões – é o atual campeão. No ano passado, o clube londrino havia acabado de vencer às custas do Citizens, por um cabeceamento curto (1-0). Este ano, o Manchester sonhava em repetir a final pela segunda vez em sua história.

A coisa não estava mal engajada. Em casa, em 26 de abril, os mancunenses tinham dominado Madrid (4-3), após um choque de arrepiar os cabelos (cf. o magnífico “ Tao insano ” da RMC sport, em seleção). Os sete gols nas semifinais não aconteciam há 27 anos, quando o Ajax Amsterdam de Patrick Kluivert venceu o Bayern de Munique por 5 a 2 (1995). A vitória do Manchester em casa no Etihad Stadium, no entanto, produziu uma impressão contrastante. Os Citizens não puderam aproveitar para encarar a partida de volta com calma. O povo de Madrid mostrou tanta resiliência! Os ingleses lideravam por 2-0 aos 11 minutos e teriam dobrado a vantagem aos XNUMX minutos se Ryhad Mahrez e Phil Foden não tivessem desperdiçado duas oportunidades de ouro.

O Real ficou em silêncio e cambaleando quando, impulsionado por Karim Benzema, a equipe subiu dois gols três vezes : 2-0 depois 2-1, 3-1, 3-2, 4-2 e 4-3. Os Lyonnais entraram em dois – incluindo um Panenka (cf. das 20h00 às 21h20.) – para se tornar o primeiro jogador do Real a ultrapassar os 40 golos numa temporada desde a saída de Cristiano Ronaldo em 2018.

Em suma, o duelo titânico da primeira mão prenunciou um jogo de volta tórrido.

No entanto, na última quarta-feira, nada mudou até o minuto 73, quando, mais uma vez, o Manchester City tomou as rédeas da situação. Graças a um poderoso remate de Riyad Mahrez, pela quarta vez, os Citizens estão dois golos à frente do seu adversário (5-3 no total). Real é deixado para morrer. A diferença ainda permanece no minuto 89, Manchester já está na final em 28 de maio no Stade de France contra o Liverpool Reds. Quanto ao clube merengue, o mais bem sucedido na competição (13 troféus), está praticamente eliminado. Madrid, que gosta tanto de se apresentar como " rei da europa », já ouve soar o apito final da humilhação.

Foi então que o público espanhol, muito calmo até agora, sentiu chegar o momento decisivo.. Ele conhece a força mental do Real e os precedentes históricos. Mesmo que seja necessário marcar dois gols, uma onda de confiança irreal nasce nas arquibancadas. Começamos a gritar o refrão " Se é chato! » (Sim é possivel).

E o impossível acontece.

Aos 90 minutos, o jovem brasileiro Rodrygo entrou aos 68 minutos com uma assistência de Karim Benzema. O francês acerta uma abertura de Eduardo Camavinga no segundo poste, e permite-lhe ultrapassar Ederson, o guarda-redes inglês, com o dedo do pé!

Falta muito pouco tempo para marcar novamente e ganhar tempo extra, mas depois ocorre O meme fenômeno psicológico que quando o Real conseguiu reverter a situação, contra o Paris Saint-Germain na oitava rodada (1-0, 3-1) e o Chelsea nas quartas de final (1-3, 2-3 at) nas duas rodadas anteriores: em uma instante, o estádio acorda, o nível de ruído aumenta, o time do Real Madrid é energizado e o adversário paralisado. À força de dizerem a si mesmos que jogam no maior clube do mundo, os madrilenos acabam acreditando e funciona como uma profecia auto-realizável.

90 segundos depois, Rodrygo oferece o prolongamento ao Merengue com um cabeceamento imparável, antes do empurrão, de Benzema, que, seco por Ruben Dias, obtém uma grande penalidade (95.º). Saint-Georges é derrubado pelo dragão ibérico, enquanto aos 87 minutos, os ingleses se ofereceram duas grandes chances, com uma bola defendida em sua linha por Ferland Mendy e outro gol de Jack Grealish desviado in extremis por Thibaut Courtois, cujo a compostura foi um elemento decisivo desta segunda mão.

Esta temporada falamos sobre o "irreal" Madrid. Como inflama: “Real é de outro mundo”: “Aqui vieram os de Abu Dhabi, do Catar, os russos, todos caíram. Aqui é o Real Madrid, um clube de futebol, algo puro. O Real Madrid derrotou os três gigantes fabricados com cheques e que não respeitam o fair play financeiro », se atreve a escrever Tomas Roncero. « É uma piada, não é possível », twitta Messi para Agüero. Mas como diz Rodrygo, "com esta camisola, aprende-se a lutar sempre até ao fim".

Os dois estrategistas de banco têm fortunas mistas : em 28 de maio, em Saint-Denis, o italiano Carlo Ancelotti pode se tornar o primeiro técnico da história a conquistar uma quarta Liga dos Campeões. Pep Guardiola, por outro lado, sofreu um sexto fracasso em outras tantas temporadas com o Manchester, depois dos dois títulos conquistados com o Barça em 2009 e 2011. O catalão não pareceu tão surpreso. No final da partida, ele parecia dizer a si mesmo, como todo mundo " é normal ". Assim como os dois únicos espectadores que inexplicavelmente quiseram deixar o estádio mais cedo e que finalmente se viraram (cf. vidéo). Negócio como de costume ?

Louis Daufresne 

Fonte: RMC Esporte

Este artigo foi publicado em Seleção do dia.

 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.