A cidade de Estrasburgo limita o financiamento para locais de culto

Dezoito meses depois de uma viva polémica sobre um subsídio a uma mesquita turca, a cidade de Estrasburgo adotou na segunda-feira novas regras sobre o financiamento de locais de culto, limitando a participação da autarquia e reforçando a consulta do Estado.

"Estamos a dar-nos um quadro claro, transparente e partilhado", que permite "garantir os princípios de neutralidade, transparência e equidade", explicou a autarca da EELV de Estrasburgo, Jeanne Barseghian, durante uma reunião do Conselho municipal.

Após longas e por vezes animadas discussões, a Câmara Municipal de Estrasburgo votou 46 votos a favor (16 abstenções e nenhum voto contra) para uma deliberação que fixa o apoio da cidade a associações religiosas e projetos religiosos em um máximo de um milhão de euros. Este financiamento não pode exceder “mais de 10% da despesa total” para a criação ou ampliação de um local de culto.

Além disso, a elegibilidade dos pedidos de subvenção está condicionada à apresentação de "um plano de financiamento equilibrado" e "à assinatura do contrato de compromisso republicano". Nenhum pedido de financiamento para o mesmo local de culto pode ser apresentado novamente antes de decorridos dez anos.

Para novos locais de culto ou projetos importantes, propõe-se que o prefeito ou o prefeito “seja chamado para um parecer sobre o projeto”, em particular para permitir “informar o município sobre as possíveis ligações da associação com potências estrangeiras » ou sobre «qualquer alerta relativo à segurança nacional e/ou excessos fundamentalistas ou sectários».

O município ecológico esteve no centro de uma viva polémica com o Estado em março de 2021, após a votação da Câmara Municipal sobre o princípio de um eventual subsídio de 2,5 milhões de euros para a construção, ainda em curso, da mesquita Eyyub Sultan, apoiado pela associação turca Millî Görüs.

O ministro do Interior, Gérald Darmanin, acusou o município de financiar “interferência estrangeira” em solo francês, levando a trocas muito acaloradas entre a prefeitura e a prefeitura. Millî Görüs finalmente desistiu de pedir esse subsídio, evitando que a cidade de Estrasburgo tivesse que decidir definitivamente sobre sua concessão.

Apesar do regime específico da Alsácia-Mosela, onde não se aplica a lei de separação das Igrejas e do Estado de 1905, o autarca de Estrasburgo sublinhou que a concessão de um subsídio a um novo local de culto não se enquadrava em “qualquer automaticidade”. "Não há direito de ser financiado, mas uma possibilidade", acrescentou.

O Conselho Editorial (com AFP)

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.