A Bíblia é sexista? Uma jornada bíblica para responder a esta pergunta essencial

“A Bíblia é sexista? »É o título do último livro de Valérie Duval-Poujol publicado pela Editions pegada, e também a questão que aborda neste livro. A autora acredita que, apesar da cultura patriarcal na qual está enraizada, a Bíblia transmite uma mensagem libertadora para as mulheres.

Questionada por InfoChrétienne, a teóloga Valérie Duval-Poujol relembra a gênese de seu livro e nos convida a buscar respostas a essa questão essencial com uma abordagem teológica. 

InfoChrétienne: O que motivou a escrita deste livro?

Ouvir os testemunhos de minhas irmãs em igrejas de todos os tipos, suas dúvidas sobre os textos bíblicos, seu desânimo diante desses textos, sua raiva diante de Deus quando se perguntam se a Bíblia é realmente sexista? Deus é sexista? Eu tenho meu lugar na igreja? Ou eu tenho doações?

É, portanto, o acúmulo de testemunhos, as perguntas feitas todas as semanas durante anos durante as sessões de treinamento e conferências. Foi isso que me motivou e depois houve um confinamento que me permitiu ter um pouco mais de tempo para escrever.

É também um assunto que me toca pessoalmente. Quando fiz meus estudos de teologia, já me disseram "assim que você encontrar seu marido, pode desistir". Fui muito encorajado pela minha família, mas há muitos lugares onde eu sabia que seria difícil. Então, quando meus colegas alunos do corpo docente tiveram tempo para fazer um monte de outras perguntas, para mim a primeira pergunta que me perguntei foi: é legítimo para uma mulher ensinar ou pregar? Então, passei um tempo aprendendo as línguas bíblicas para procurar respostas nos textos. Era uma questão primária.

IC: Na contracapa você pode ler: “ Iguais aos homens em direitos, valor e dignidade, nada nem ninguém os deve impedir de colocar os seus dons a serviço da comunidade humana e eclesial, como eles desejam. »Este livro é finalmente também um apelo em nome das mulheres para que possam tomar« o seu lugar »nas nossas igrejas?

A ideia é que Deus dá dons à humanidade para fazer as coisas funcionarem. Não existem presentes cor-de-rosa e azuis, mas sim presentes dados a homens e mulheres. Infelizmente, muitas vezes as mulheres não se sentem legítimas para exercer os dons que receberam e que, no entanto, vêm de Deus. Eles colocam obstáculos em seu caminho ou nós colocamos obstáculos neles o que significa que, para usar a imagem de Paulo sobre a igreja ser um corpo, a igreja se encontra como um corpo hemiplégico. Ela está meio paralisada porque não usamos a metade desses membros, não usamos mulher. Obviamente, isso limita seu impacto e seu testemunho de esperança neste mundo.

IC: O título do seu livro tem a forma de uma pergunta, então diga-nos, a Bíblia é sexista?

A resposta rápida é dizer que a cultura em que os textos estão enraizados é patriarcal, sexista, misógina e as mulheres são quase invisíveis nela. Mas a mensagem, a perspectiva que se propõe, então isso é libertador. Essa é uma boa notícia, é a tradução da palavra "evangelho", é uma boa notícia para as mulheres de hoje também!

Porque existe uma perspectiva, uma trajetória. Mostro o que acontece em Gênesis 1 e 2, o que foi planejado no início, o que estava no coração de Deus para a relação entre homem e mulher. Em seguida, explico como isso degenera em Gênesis 3 e o fato de que tudo o que se segue é uma consequência do que aconteceu naquele capítulo, que é chamado de queda. Ao vir à terra, Jesus veio para restaurar o que foi planejado no coração do criador. E normalmente, a igreja deveria estar seguindo o que Cristo queria realizar.

IC: Há algo em particular que você gostaria de compartilhar com nossos leitores para que eles queiram descobrir o seu livro? 

Quero encorajá-los a lembrar que o texto bíblico que lêem, e que muitas vezes apreciam, está em francês, enquanto o texto original foi escrito em grego, hebraico ou aramaico e que muitas vezes estão sujeitos às escolhas dos tradutores. É importante perceber que o que lemos hoje depende das escolhas de outras pessoas. Tradutores que foram filhos de seu tempo, que muitas vezes norteou suas traduções.

Portanto, gostaria de incentivá-los a ler este livro para que possam descobrir o que realmente foi escrito em grego ou hebraico e não apenas o que está escrito em sua tradução francesa. Um bom exemplo é Paulo em Romanos 16, versículo 7, que cumprimenta uma apóstola, Junia. No entanto, os tradutores, constrangidos por uma apóstola, masculinizaram o primeiro nome e o transformaram em Júnias. Como resultado, hoje, em um grande número de Bíblias francesas, não há uma apóstola chamada Junia.

Até o século XIII, Junia aparece no feminino em todas as traduções, manuscritos da Bíblia, todos os sermões. Após esse período, seu nome foi masculinizado. No entanto, este é um elemento importante, porque se há uma apóstola a quem Paulo saúda como colaboradora, é porque estes são os outros textos que não compreendemos!

IC: E talvez também um ponto para nossos leitores em particular?

Para os leitores, para as mulheres, gostaria de dizer a eles que na Bíblia há muitos retratos de mulheres muito inspiradores para hoje. Quero convidá-los a ler o meu livro, a descobrir as mulheres que não conhecem, a apresentá-los, por exemplo, à profetisa Houldah, de quem quase nunca falamos, ou mesmo a Phoebe, que também é colaboradora de Paulo.

Também os convido a revisitar retratos de mulheres que eles acham que conhecem, para ver como são encorajadores. Seja Débora ou Maria Madalena, que foi apelidada de "apóstolo dos apóstolos" por ter sido a primeira testemunha da ressurreição.

Então, tente partir novamente à descoberta dessas mulheres, aquelas menos conhecidas como Jeanne, Suzanne, Chloé, Appia, Nympha, aquelas de quem nunca se fala e as mais famosas para poder redescobrir uma boa notícia!

Comentários reportados por Camille Westphal Perrier

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.