Artista Grégory Turpin injustamente demitido do Top 10, apesar das vendas excepcionais

“Changer de vie”, o segundo álbum de Grégory Turpin, é lançado na Universal em 3 de junho de 2016.

ACom 5624 álbuns vendidos em 7 dias, Grégory Turpin deve figurar no Top 10 do SNEP. No entanto, o SNEP classifica-o como ... 113ª posição ! Em um post publicado em sua página no Facebook, a partir de nota do jornal La Croix, Grégory Turpin denuncia essa situação injusta.

O SNEP (National Union of Phonographic Publishing), que estabelece o ranking das melhores vendas e, em particular, o Top 10 dessas melhores vendas a cada semana, não leva em conta as redes de distribuição cristãs como La procure, Bayard, AVM, ...

Para entrar em mais detalhes, é um órgão independente, GFK, que coleta esses dados de distribuidores aprovados pelo SNEP. Detalhe importante porque o SNEP poderia tomar a decisão de incluir entre essas redes de distribuição aprovadas as redes de distribuição cristãs. Isso faria justiça ao cantor cristão Grégory Turpin, mas também a todos os outros artistas cristãos!

Esta classificação, amplamente seguida pelos meios de comunicação e pelos canais de distribuição do público em geral, é de grande importância para os artistas. A consideração pelo SNEP das vendas feitas por redes de distribuição cristãs poderia regularmente impulsionar muitos artistas cristãos para o Top 10 de vendas na França!

Compreendemos e nos solidarizamos com a decepção de Grégory Turpin.

Qual atleta aceitaria a 113ª colocação quando está na 8ª contra o relógio?

“Graças a você, a mensagem está se espalhando. "

Com Grégory Turpin, convidamos você a espalhar a mensagem para que esta injustiça seja reparada e que os artistas cristãos tenham direito ao mesmo tratamento que outros artistas na França.

O editorial

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.