Um ataque nuclear russo é uma perspectiva credível?

Em 21 de setembro, Vladimir Putin reiterou uma ameaça que ele já havia manifestado no final de fevereiro, logo no início da invasão da Ucrânia, quando colocou em alerta as unidades das forças armadas russas encarregadas das armas nucleares: se a integridade territorial da Rússia estiver ameaçada, assegurou, não descartar o uso de armas nucleares.

No exato momento em que, em Nova York, os chefes de estado de todo o mundo se sucedem na tribuna do 77ª Assembleia Geral das Nações Unidas, pedindo a cessação das hostilidades, ele mesmo optou por retomar a ofensiva dando um novo passo na retórica altamente codificada das armas nucleares.

O ceticismo ocidental é justificado?

Diante do que eles consideram uma recaída ou uma recaída, os ocidentais estão mais uma vez divididos entre a descrença horrorizada e o ceticismo preocupado. A seriedade das declarações do presidente russo está, como em fevereiro, em dúvida. "Bluff", "derrapagem", "exagero", "exagero", etc. : as interpretações destinadas a minimizar o risco nuclear estão indo bem.

Os céticos estão certos em apontar que mesmo o uso limitado de armas nucleares teria consequências devastadoras para Vladimir Putin: ele seria imediatamente privado de seus já relutantes apoiadores na China e na Índia; ele se exporia a uma reprovação interna muito ampla, num momento em que a oposição à guerra se manifesta nas ruas (alguns 1 pessoas foram presas na noite de 300 de setembro); e, sobretudo, arriscaria uma retaliação direta das potências nucleares que apoiam a Ucrânia: Estados Unidos, Reino Unido e França.

Devemos descartar como irreal o espectro de um ataque nuclear russo? Ou seria mais sensato considerar o que torna a perspectiva do uso de armas nucleares menos tabu hoje do que antes do início da guerra na Ucrânia?

Três elementos se combinam hoje para diminuir o limiar nuclear aos olhos do Kremlin: primeiro, essa ameaça toma forma em um contexto em que a Rússia está falhando amplamente em sua “operação militar especial”; em segundo lugar, Moscou há anos, e ainda mais desde fevereiro passado, rompeu com os métodos convencionais de guerra; finalmente, a nível pessoal, Vladimir Putin mostra-se, ao brandir a ameaça nuclear, fiel à imagem que há anos tenta impor – a de um homem que, em nome da sua visão do mundo e do que seu país deve, segundo ele, ocupar lá, está pronto para absolutamente qualquer coisa.

Responda a um contexto de crise

Considerada a partir do Kremlin, a situação militar direciona o poder russo para meios de extrema urgência. De fato, a Rússia se mostrou incapaz, em vários meses, de atingir seus objetivos estratégicos por meio de uma campanha militar convencional.

[Mais de 80 leitores confiam no boletim The Conversation para entender melhor os principais problemas do mundo. Inscreva-se hoje]

Apesar do modernização de suas forças armadas por uma década, apesar do tempero de seus oficiais no teatro sírio, apesar da combinação de ataques cibernéticos e campanhas de desinformação, além das operações militares convencionais, a Rússia não conquistou Kyiv, nem quebrou a resistência nacional ucraniana, nem mesmo manteve seus ganhos territoriais diante das contra-ofensivas lançadas há um mês.

A tentação de recorrer a meios não convencionais aumenta quando a vitória militar convencional se esvai e o espectro da derrota se aproxima. De fato, as operações ucranianas realizadas nas áreas de Kharkiv (no nordeste) e Kherson (no sul) visam explicitamente alcançar a "vitória" contra a Rússia.

Para os ucranianos, "vitória" significa uma reconquista completa do território nacional resultante da independência em 1991, incluindo a Crimeia anexada pela Rússia em 2014 e as regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporozhye, que muito em breve poderão ser anexadas por sua vez, “referendos de apego à Federação Russa” tendo sido anunciado lá para o final de setembro, embora Moscou não controle todos os seus respectivos territórios (Está bem?).

Mas para alguns partidários de Kyiv – sobretudo na Polónia, nos Estados Bálticos e nos Estados Unidos – a noção de “vitória” implica uma derrota militar russa, seguido por uma convulsão política e um enfraquecimento estratégico duradouro daquele país. O que o Kremlin teme agora é retornar o estado de rebaixamento internacional que ele experimentou na década de 1990.

Em suma, a Rússia de Putin considera que agora passou explicitamente de uma guerra de invasão contra a Ucrânia para uma guerra de defesa contra a OTAN. Uma vez que o nível de ameaça é, portanto, drasticamente maior, poderia ser justificado, do ponto de vista do Kremlin, recorrer a um tipo de arma qualitativamente diferente. No que diz respeito às armas nucleares, o há muitos passos para superar e estão longe dos primeiros anúncios para o uso real. No entanto, à medida que a crise militar se torna mais clara para a Rússia e à medida que o risco de derrota se materializa, aumenta a tentação de implementar meios militares extremos.

Busque estratégias disruptivas

Hoje mais do que nunca, o fundamentos da doutrina nuclear russa deve ser lembrado. Estão em completa ruptura com o doutrina francesa, por exemplo: a visão russa não se baseia no princípio do “segundo ataque nuclear”, que consiste em usar armas nucleares apenas uma vez que o próprio território nacional tenha sido submetido a um ataque nuclear.

Um "primeiro" uso, em um contexto "tático" e para atingir objetivos militares, é, pelo contrário, regularmente previsto pelos vários documentos estratégicos russos.

Neste caso, um ataque à Crimeia (ou qualquer outro território considerado pelo Kremlin como "russo") por tropas ucranianas, particularmente com armas da OTAN, poderia justificar, aos olhos do poder russo, o lançamento de mísseis operando ataques nucleares seja no campo de batalha para interromper um avanço, seja contra infraestruturas críticas para a organização das forças armadas ucranianas.

Isto já foi referido pelo Presidente russo, desde maneira mais indireta, em fevereiro de 2022. Isso se repete hoje. Não se trata de uma postura militar nem de um empurrão político. É um lembrete estrito de uma doutrina que é conhecida e difundida há muito tempo.

Recentemente, este doutrina nuclear foi influenciado por inúmeras rupturas com os métodos convencionais de guerra: suspeito de ser envolvidos no uso de armas químicas e bacteriológicas na Síria, cooperando com auxiliares mercenários como o Grupo wagner ou “étnico” como o Milícias do presidente checheno Kadyrov, levando por vezes a operações militares clandestinas, há pelo menos uma década, o exército russo não se contentou com os meios convencionais para atingir seus objetivos.

A Rússia de Putin atravessou muitos Rubicões nas guerras que travou, seja dentro da Federação (na Chechênia), em suas fronteiras (na Geórgia) ou em suas zonas de influência (Oriente Médio, África Central). A invasão da Ucrânia constitui em si uma profunda ruptura com o princípio da intangibilidade das fronteiras resultante da dissolução da URSS. À medida que os tabus militares e estratégicos são quebrados, um após o outro, a possibilidade de quebrar o último deles, o uso de armas nucleares, torna-se menos fantasmagórica.

Mantenha uma postura política

O uso de armas nucleares também corresponderia à posição política que o presidente russo escolheu ao lançar a invasão da Ucrânia.

De fato, a escolha da invasão, em fevereiro de 2022, responde a duas principais linhas políticas explícitas de Vladimir Putin. A primeira, bem identificada e longamente analisado, corresponde ao seu desejo de anular, pelo menos em parte, a redução do peso internacional de Moscovo na sequência da desintegração da URSS. O segundo responde à concepção de poder político que ele impôs interna e externamente: ele deseja posar como alguém que ousa o que ninguém mais ousa. O uso extremo da força e o uso da força extrema são a marca dessa concepção hiperbólica de poder. Atrever-se a cruzar o limiar nuclear estaria, em suma, de acordo com essa relação sem remorso com a força.

Por fim, a postura política da Rússia para 2022 agora fica mais clara, com as demais medidas anunciadas em 21 de setembro. Por um lado, um mobilização de reservistas foi decretado: isso sublinha que a Rússia, sancionada por todos os lados, está se transformando rapidamente, em casa, em uma cidadela sitiada e um quartel generalizado. Por outro lado, como mencionamos, serão organizados referendos em várias regiões da Ucrânia para ampliar o território da Federação Russa e assim consagrar uma nova mutilação do território ucraniano.

Assim, a Rússia está se preparando para uma longa guerra de desgaste para reter o que agora considera sua muralha defensiva contra a OTAN, a Crimeia e parte do sul e leste da Ucrânia. Brandir uma ameaça nuclear credível visa reforçar ainda mais essa ideia de que a Rússia, sitiada, nunca se deixará derrotar.

Quando repetiu suas ameaças nucleares em 21 de setembro, Vladimir Putin certamente tinha em mente as terríveis repercussões às quais exporia a Rússia se ela atacasse primeiro. Ninguém deve duvidar. Mas ninguém deve negligenciar os fatores que estão gradualmente erodindo a impossibilidade de usar essas armas.

Cyrille Bret, Geopolítico, Sciences Po

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Crédito da imagem: Shutterstock / Free Wind 2014

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.