Afeganistão: Taleban continua sendo líderes 'ilegítimos', dizem ativistas afegãs

Ativistas afegãs disseram no domingo que o Talibã continua sendo líderes "ilegítimos", apesar do endosso de seu regime fundamentalista islâmico por milhares de líderes religiosos.

Cerca de 3.500 dignitários religiosos de todas as regiões do Afeganistão prometeram lealdade ao Taleban e seu líder Hibatullah Akhundzada no sábado, após três dias de reuniões na capital Cabul.

Durante esse comício, convocado pelo Talibã, questões espinhosas como o direito das adolescentes de ir à escola nunca foram abordadas.

Desde então, o Talibã quis apresentar o evento como um voto de confiança em sua concepção de um estado totalmente sujeito à Sharia – lei islâmica.

Questionado sobre a ausência de mulheres nas reuniões, o Talibã explicou que sua presença não era necessária, pois seriam representadas por parentes do sexo masculino.

"Declarações emitidas, ou juramento de fidelidade ao Taleban, em um comício ou evento sem a presença de metade da população do país - mulheres - não são aceitáveis", disse Hoda à AFP Khamosh, ativista de direitos humanos exilada na Noruega.

“Esta reunião (…) não tem legitimidade, não tem valor, não recebeu a aprovação do povo”, acrescentou.

Interpretação ultra-rigorosa do Islã

Desde seu retorno ao poder em agosto de 2021, o Talibã retornou em grande parte à interpretação ultra-rigorosa do Islã que marcou sua primeira passagem pelo poder (1996-2001), restringindo severamente os direitos das mulheres.

Eles as barraram quase completamente de empregos públicos, restringiram seu direito de viajar e impediram as meninas de frequentar as escolas secundárias. As mulheres eram obrigadas a usar véus completos, cobrindo o rosto, para qualquer passeio em público.

Eles também proibiram a música não religiosa, a representação de rostos humanos em anúncios, a transmissão na televisão de filmes ou séries mostrando mulheres sem véu, e pediram aos homens que vestissem roupas tradicionais e deixassem o cabelo crescer.

Cristãos perseguidos

Ao publicar o relatório anual da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), a presidente da organização, Nadine Maenza, expressou seu desespero com a deterioração da liberdade religiosa no Afeganistão.

Em particular, ela denunciou a “espiral descendente imediata e desastrosa” em que caíram as condições da liberdade religiosa desde que o Talibã assumiu o poder. Os cristãos são particularmente visados.

O país ocupa o primeiro lugar noÍndice Global de Perseguição aos Cristãos 2022 da ONG Portes Ouvertes e também está entre os vencedores do "Perseguidores do Ano de 2022" da International Christian Concern. Um relatório que lista os 16 principais perseguidores de cristãos no mundo e nomeia três vencedores do Prêmio Perseguidores do Ano, de acordo com 3 categorias, países, entidades e indivíduos.

De acordo com a ICC, desde o final de 2021, o Talibã usou táticas para expor os cristãos do país, levando a perseguição no Afeganistão ao seu nível mais alto desde que o primeiro governo do Talibã foi estabelecido em 1996.

"A única coisa que os afegãos podem fazer é levantar a voz"

Em Cabul, um coletivo de grupos de mulheres também desafiou a representatividade dos dignitários religiosos.

“Os líderes religiosos representam apenas parte da sociedade, não são toda a sociedade”, disse Ainoor Uzbik, membro desse grupo, à AFP.

“As decisões que tomaram servem apenas aos seus próprios interesses, não era do interesse do país e do seu povo. Não havia nada para mulheres no programa, nem no comunicado (final)”, acrescentou, após dar uma entrevista coletiva.

Em um comunicado, o coletivo disse que homens como o Talibã detiveram o poder absoluto antes na história, mas apenas por um curto período de tempo, antes de serem expulsos.

Para Ainoor Uzbik, "a única coisa que os afegãos podem fazer é levantar a voz e exigir que a comunidade internacional pressione o Talibã".

Camille Westphal Perrier (com AFP)

Crédito de imagem: Shutterstock.com / timsimages.uk

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.