Paquistão: Quando a crise política agrava os efeitos do desastre natural

Particularmente vulnerável às consequências do aquecimento global, o Paquistão, com uma população de 220 milhões, vem enfrentando uma cataclismo sem precedentes. De fato, quase um terço de seu território está submerso devido a uma monção particularmente violenta.

Além de dano que já somam bilhões de euros, o perdas humanas interino é particularmente pesado: mais de 1 mortos, 290 feridos, 12 milhões de pessoas afetadas, 500 milhões das quais necessitam de ajuda humanitária urgente. Quanto aos deslocados, seu número é estimado em 33.

Apesar da mobilização do exército, as autoridades lutam para resgatar as vítimas que estão amontoadas em acampamentos improvisados, sempre à mercê do mau tempo que continua a intervalos regulares.

A diáspora, ONGs internacionais e sociedade civil paquistanesa – já duramente atingida por um inflação descontrolada e por um aumento espetacular preços dos alimentos - lutando para arrecadar fundos necessário para ajudar a todos que precisam. Quanto ao estado, há décadas vem demonstrando sua incapacidade de gerenciar desastres naturais.

Ainda hoje, quando o país é devastado pelas enchentes, o cenário político é o triste cenário do rivalidade que coloca partidários do atual primeiro-ministro Shehbaz Sharif contra os de seu antecessor, Imran Khan.

Os clãs Sharif e Bhutto-Zardari contra Imran Khan

Ex-campeão de críquete e fundador do Partido Islâmico PTI (Paquistão Tehreek-e-Insaf ou Movimento de Justiça do Paquistão), Khan chegou ao poder em 2018.

Apesar das promessas de prosperidade e da luta contra corrupção, seu governo se mostra incapaz de corrigir economia (eu'a inflação está galopando e quase um quarto da população vive abaixo da linha da pobreza).

Ele também não consegue neutralizar a duas principais dinastias políticas do país, o Sharif e o Bhutto, embora envolvidos em muitos casos de peculatode blanchiment d'argent e para propriedade de empresas offshore.

Se o principal adversário de Imran Khan, Nawaz Sharif (que serviu três mandatos como primeiro-ministro desde a década de 1990), foi para o exílio no Reino Unido, sua filha Maryam e seu irmão mais novo Shehbaz continuam, apesar dos atritos internos e de algumas curtas encarceramentos, a defender os seus interesses políticos e eleitorais no Paquistão.

O clã Bhutto, por meio de Asif Ali Zardari e Bilawal Bhutto Zardari – respectivamente marido e filho da ex-primeira-ministra de dois mandatos (1988-1990; 1993-1996) Benazir Bhutto (1953-2007) – mostra-se adepto da luta contra a política ataques e acusação de que é sujeito.

Em 2020, esses dois clãs, que também lideram os dois principais partidos políticos do país (Partido Popular do Paquistão/PPP para Bhutto-Zardari e a Liga Muçulmana do Paquistão Nawaz/PMLN para o Sharif), formam, com outros parceiros, um aliança circunstancial convocou o Movimento Democrático do Paquistão (PDM) para combater Imran Khan – um forasteiro cuja eleição eles contestam e cuja popularidade eles temem.

A queda de Imran Khan…

A popularidade de Khan está diminuindo com tempo. A principal razão é econômica: o país está desmoronando sob a dívida pública (estimado pelo FMI em mais de 138 bilhões de dólares para o ano 2022-2023) e a escassez de energia (gás e eletricidade), que afeta tanto os cidadãos quanto as empresas, são cada vez mais frequentes.

[Mais de 80 leitores confiam no boletim The Conversation para entender melhor os principais problemas do mundo. Inscreva-se hoje]

O governo não tem outra solução senão recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI), mas este exige a criação de medidas de austeridade para reduzir o déficit. Assim, a partir de 2019, novos impostos são instituídos, os orçamentos destinados aos setores de educação e saúde são reduzidos e o moeda (a rupia) é desvalorizada.

Estas medidas têm o efeito de reduzir a crescimento econômico e aumentar a inflação e a pobreza, enquanto os escândalos de corrupção afetam alguns dos assessores próximos do primeiro-ministro. Ainda bem administrado, crise covid também causa danos.

Khan também é impopular no exterior. Seu apoio ao Talibã no Afeganistão (desde a retirada americana em 2021) está prejudicando sua imagem. Uma imagem que se deteriorou ainda mais desde a início da guerra na Ucrânia em fevereiro de 2022 : enquanto as condenações ocidentais se multiplicam contra os russos, Khan vai para Moscou onde se encontra com Vladimir Putin no próprio dia da invasão e anuncia a neutralidade do paquistão.

Os seus estreitos contactos com a China, com a qual colabora para uma campanha de desdolarização do comércio bilateral, também não passam despercebidos, principalmente entre os americanos.

Não é, porém, a esta impopularidade nacional ou internacional que o queda de seu governo em 2022, mas a erros políticos, sendo o principal deles desafiar o poderoso exército paquistanês, em particular na questão do nomeação do futuro Comandante-em-Chefe do ISI (Inteligência Interserviços).

O descontentamento do exército, do qual ele era, no entanto, o queridinho no início de seu mandato, foi rapidamente seguido pelo de seus aliados políticos que o censuraram, entre outras coisas, por ir sozinho. Os pequenos partidos políticos – MQM/Karachi, GDA/Sind, PML (Q) Punjab, BAP/Balochistan – que o ajudaram a obter a maioria necessária para formar um governo de coalizão em 2018 estão abandonando-o. As deserções estão aumentando, inclusive dentro de seu próprio partido, dos quais várias dezenas de membros estão votando a favor de sua demissão. Portanto, em 9 de abril de 2022, um moção de censura é votada no Parlamento, a primeira no Paquistão.

… antes de um retorno?

Forçado a sair do escritório Antes do final de seu mandato de cinco anos, Khan não pretende facilitar a tarefa de seu sucessor, Shehbaz Sharif. Ele embarca em uma maratona de jalsa (comícios políticos) manifestantes e exige eleições antecipadas.

Para surpresa de todos, esses encontros galvanizaram as multidões e reviveram sua antiga notoriedade, especialmente entre os jovens educados e urbanizados que se deixaram convencer de que seu despejo é resultado de intervenção estrangeira, especialmente americano. Imran Khan acusa Washington, bem como parte do establishment paquistanês, de reduzir o país à servidão e de agir contra seus interesses nacionais.

Em represália, ele é acusado de "traição" e por pouco deixa de ser preso (na verdade, ele escapa da prisão tomando medidas legais preventivas). Desde então, os confrontos entre seus apoiadores e os da coalizão de partidos no poder se multiplicaram nas ruas, mas também nos tribunais. Seus colaboradores são presos, às vezes torturado e seus discursos proibições de transmissão nos canais de televisão. No entanto, ainda é improvável que essa repressão direcionada consiga fazê-lo se curvar.

Sua reputação de incorruptível e resistente às forças estrangeiras reforça um populismo já bem estabelecido do qual ele se beneficia, inclusive em nível eleitoral. Assim, apesar da forte polarização política, seu partido conquistou, em julho de 2022, um vitória esmagadora nas eleições locais na província de Punjab, tradicional reduto do clã Sharif. Esta vitória mina o governo de Shehbaz que, segundo as últimas notícias, ainda está relutante em conceder eleições antecipadas que corre o risco de perder.

Enquanto os líderes paquistaneses estão envolvidos em cálculos políticos, a sociedade e a economia estão à beira do colapso, o que pressagia uma crise humanitária em grande escala nos próximos meses e anos. A destruição maciça de colheitas já anuncia um aumento da insegurança alimentar. Além da fome, a população também corre o risco de ser confrontada com a propagação de doenças ligadas à contaminação da água. Sob essas condições, perdas humanas adicionais são esperadas, enquanto os líderes políticos se separam.

Bunda de Tasnim, Pesquisador Associado, Observatório dos Mundos Árabes e Muçulmanos (OMAM), Universidade Livre de Bruxelas (ULB)

Este artigo foi republicado a partir de A Conversação sob licença Creative Commons. Leia oartigo original.

Crédito da imagem: Shutterstock / Asianet-Paquistão

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.