Papa Francisco evoca as condições “difíceis” dos católicos na China e diz “rezar por eles todos os dias”

Falando à multidão reunida na Praça de São Pedro no Vaticano no domingo, o Papa Francisco falou da "existência muitas vezes complicada" dos católicos na China e disse que rezou por eles, convidando os fiéis católicos a fazer o mesmo. 

Após a oração de Regina Caeli, neste domingo, 22 de maio, na Praça de São Pedro, o Papa Francisco falou sobre a difícil situação dos "fiéis e pastores" na China.

“Sigo cuidadosa e ativamente as vidas e situações muitas vezes complexas de congregantes e pastores, e rezo por eles todos os dias”, disse ele.

Em seguida, o pontífice convidou os católicos a unirem-se em suas orações para que "a Igreja na China, em liberdade e tranquilidade, viva em efetiva comunhão com a Igreja universal e exerça sua missão de anunciar o Evangelho a todos, e assim oferecer uma resposta que contribui para o progresso espiritual e material da sociedade".

Embora não haja referência explícita a ela, esta declaração vem cerca de dez dias após a breve prisão do cardeal aposentado Joseph Zen, um dos mais antigos prelados católicos da Ásia.

Após esta prisão, o diretor da assessoria de imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, manifestou a sua “preocupação” e declarou “acompanhar a evolução da situação com extrema atenção”.

Em 11 de maio, o cardeal Joseph Zen foi preso em Hong Kong, ao lado de uma estrela pop pró-democracia e um acadêmico, sob a Lei de Segurança Nacional. Eles acabaram sendo libertados sob fiança.

Os três participaram na gestão de um fundo, agora dissolvido, destinado a financiar a defesa de ativistas presos durante as grandes manifestações pró-democracia que abalaram a ex-colónia britânica em 2019. Joseph Zen foi um dos administradores deste Apoio Humanitário Fund, que ajudou manifestantes presos a pagar suas despesas legais e médicas.

A China ocupa o 17º lugar no rankingÍndice Global de Perseguição Cristã 2022 da ONG Portes Ouvertes, o que indica que “as igrejas são cada vez mais vigiadas” neste país asiático e que “o regime de Pequim pretende criar um cristianismo compatível com a ideologia comunista chinesa”.

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Shutterstock.com/Kit Leong

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.