Nigéria: em face da crueldade de Boko Haram, a unidade dos cristãos

Na Nigéria, Boko Haram, a organização terrorista mais mortal do mundo, está semeando crueldade.

Pleia mais de 2 milhões de civis forçados a fugir, em seu próprio país, ou no Níger, Camarões, Chade. Milhares de pessoas mortas, massacradas. Muitos testemunhos insuportáveis. Nos acampamentos que os acolhem, as crianças sofrem de desnutrição. As condições de vida que enfrentam levam alguns à depressão. Quando finalmente voltam para suas famílias, são rejeitados.

Leila Zerrougui, Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados, visitado em janeiro.

“Testemunhei o choque e a descrença das pessoas com a devastação sofrida por suas comunidades. Eu vi o trauma nos olhos das crianças. A extensão de seu sofrimento está além do que eu esperava encontrar. As pessoas que atendi exigem e merecem proteção de emergência. "

Em resposta à crescente violência, os cristãos na Nigéria decidiram se unir. Católicos, protestantes, anglicanos e outros, todos unidos em uma campanha contra o Boko Haram. Samuel Dali, presidente da Igreja dos Irmãos, acredita que, se os cristãos não se unirem, a violência do Boko Haram se espalhará por todo o país.

“Na maioria das vezes, nossos irmãos no sul da Nigéria não sabem o que está acontecendo no norte. Queremos que as igrejas no sul e em outros lugares estejam cientes desses atos de terrorismo, não apenas para o sul, mas para todo o país, porque o que afeta os cristãos no norte da Nigéria afeta o mundo inteiro. "

Como parte desta campanha, os cristãos assinaram um acordo, detalhando todos os atos do grupo terrorista, esperando que o mundo inteiro não ignore mais a perseguição aos cristãos.

MC

Fonte: Christian Post

Foto: Comissão Europeia DG ECHO

 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.