'Maior passo para trás': Tribunal reconhece jurisdição da Sharia para condenar blasfemos à morte na Nigéria

“A longa história da Nigéria de desrespeito pela liberdade religiosa tornou-se ainda pior hoje. »

Na Nigéria, o Tribunal Superior do Estado de Kano acaba de decidir que a Sharia tem o poder de emitir sentenças de morte em casos de blasfêmia. Uma decisão tomada quando Yahaya Aminu Sharif, um cantor de 22 anos, foi condenado à morte por blasfêmia.

Por Preocupação Cristã Internacional (ICC), “as ações judiciais borram as linhas entre quem e o que pode ser julgado em um tribunal da Sharia”. Seu presidente, Jeff Kings, “a longa história de desrespeito à liberdade religiosa da Nigéria foi agravada hoje, ressaltando mais uma vez o erro cometido pelos Estados Unidos no ano passado ao remover a Nigéria da lista de países de particular preocupação (CPC)”.

Jay Church, diretor do ICC para a África, fala de um “grande revés para os direitos humanos na Nigéria como um todo”.

“Ter um tribunal secular reconhecendo formalmente a jurisdição de um tribunal da Sharia para proferir sentenças de morte por blasfêmia é o maior retrocesso no sistema legal nigeriano desde a implementação da lei criminal da Sharia em 2000. Espero que a comunidade internacional, incluindo o Estado dos EUA Departamento, reconhece este desenvolvimento para a violação grosseira dos direitos humanos que é. »

O diretor da organização, Matias Perttula, diz que "a decisão do tribunal é um ataque à liberdade religiosa na Nigéria e estabelece formalmente a estrutura legal para a perseguição contínua de cristãos na Nigéria".

“Esta decisão é claramente um retrocesso para todos os direitos humanos, liberdade religiosa e liberdade como um todo para a Nigéria. »

Doze estados no norte da Nigéria estão sob o mesmo sistema legal dual, um baseado no Código Penal nigeriano e o outro na Sharia.

MC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.