Igreja Protestante Unida da Austrália pede que funcionários evitem usar Uber

A Igreja Protestante Unida da Austrália pediu a seus funcionários que evitem usar os serviços da Uber para viagens de negócios, acreditando que a empresa não corresponde aos seus valores. 

The Guardian relata que após um investigação publicada pelo jornal britânico, a Igreja Protestante Unida da Austrália pediu que seus funcionários parassem de usar o Uber para viagens de negócios.

Em um comunicado enviado internamente a seus funcionários em Victoria e na Tasmânia, a Igreja indica que a Uber construiu seus negócios em “fundações antiéticas” e não corresponde aos seus valores.

De acordo com o The Guardian, os protestantes apontam em particular para os salários dos motoristas estarem abaixo do “salário mínimo legal” bem como “a adoção de uma estrutura legal destinada a evitar o pagamento de imposto de renda sobre uma parte significativa de seus lucros”.

A nota enviada internamente refere-se também ao fato de que a empresa Uber "se instalou ilegalmente em muitos lugares e depois fez lobby para que as leis fossem alteradas para aceitar sua presença" e que "montou os trabalhadores uns contra os outros, minando os salários e trabalhando condições dos trabalhadores do setor de táxi”.

O jornal especifica que, se a Igreja australiana é a primeira estrutura a se posicionar dessa maneira, outras organizações eclesiais e leigas planejam seguir seu exemplo no país.

Um porta-voz da Uber lamenta a falta de diálogo antes deste anúncio. “Congratulamo-nos com a oportunidade de discutir essas preocupações diretamente com a igreja. A segurança de todos que usam a plataforma Uber é fundamental (…) e também estamos comprometidos em elevar os padrões para contratados independentes na economia gig, enquanto protegemos a flexibilidade e a independência que sabemos que eles apreciam”, disse ele.

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Shutterstock / Lutsenko_Oleksandr

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.