Nicarágua: Igreja denuncia "repressão" e parentes de presos políticos denunciam maus-tratos

Na Nicarágua, a Igreja Católica reclama de "repressão" e assédio, enquanto afamiliares de mais de 180 opositores do governo preso do presidente Daniel Ortega denunciaram os maus-tratos aos detidos na segunda-feira.

Cinco organizações de parentes de opositores presos lançaram um "apelo urgente" para sua "libertação imediata" por causa de sua "extrema deterioração física e mental".

Os opositores presos são vítimas de uma “política de maus-tratos (…) para exaurir, exterminar ou mutilar”, denuncia um comunicado conjunto.

Mais de quarenta opositores acusados ​​em particular de "minar a integridade nacional" e lavagem de dinheiro foram presos nos meses que antecederam as eleições presidenciais de novembro passado. Daniel Ortega foi reconduzido para um quarto mandato consecutivo, sem adversários sérios, sete dos quais foram presos. A votação foi descrita como uma “máscara” em Bruxelas como em Washington.

Pelo menos 45 opositores, acusados ​​pelo governo de conspirar para derrubar Daniel Ortega com o apoio dos Estados Unidos, foram condenados desde fevereiro a penas de até 13 anos de prisão.

Familiares de presos continuam denunciando condições de detenção que prejudicam sua saúde, incluindo “hospitalização tardia ou de emergência”.

Em fevereiro, Hugo Torres, herói da guerrilha sandinista que se opôs ao presidente Ortega, morreu sob custódia hospitalar.

As organizações de familiares de opositores detidos manifestaram particular preocupação com o estado de saúde de três reclusos, e mais particularmente com Nidia Barbosa, ativista de 66 anos que sofre de "graves problemas cardíacos" e hospitalizada na semana passada.

Familiares dos presos expressaram sua solidariedade a Dom Rolando Alvarez, bispo de Matagalpa (norte). O prelado, responsável pela comunicação da conferência episcopal, está refugiado em sua igreja desde quinta-feira e se declarou em greve de fome para protestar contra o assédio policial que ele diz ser alvo depois de denunciar a repressão contra a oposição.

O pároco de Masaya (sul), Harvy Padilla, garante que a polícia o impeça de sair de sua igreja e no domingo proibiu os fiéis de irem à missa que ele celebrava.

O governo da Nicarágua acusou os bispos de ajudar uma "tentativa de golpe" para abrigar manifestantes em igrejas durante a sangrenta repressão aos protestos da oposição em 2018.

Desde então, a tensão nunca diminuiu entre a Igreja Católica e o governo, que expulsou o núncio apostólico em março. Na sexta-feira, as autoridades suspenderam a transmissão a cabo do canal de televisão católico.

Dom Carlos Aviles, vigário da Arquidiocese de Manágua denunciou no domingo a “redução ao silêncio” do canal de televisão: “O pacifismo radical perturba os violentos, os criminosos. Eles não suportam ter sua impopularidade jogada na cara deles, disse ele.

O Conselho Editorial (com AFP)

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.