França repatria 35 menores e 16 mães de campos de prisioneiros jihadistas na Síria

A França repatriou na terça-feira 35 menores e 16 mães de campos para deslocados na Síria, incluindo Emilie König, uma das mais conhecidas jihadistas francesas, despertando a esperança de ONGs e famílias de verem o fim da política "desumana" do " caso por caso”.

O Ministério das Relações Exteriores da França anunciou esses retornos na terça-feira, poucas horas após a formação de um novo governo, especificando que essas crianças e essas mulheres estavam até então nos campos no nordeste da Síria mantidos pelas forças curdas.

Esta é a primeira repatriação em massa de crianças e suas mães desde a queda em 2019 do "califado" do grupo Estado Islâmico (EI), a partir do qual foram planejados os ataques mortais de 13 de novembro de 2015 na França. Até então, apenas algumas crianças haviam sido repatriadas pelas autoridades francesas “caso a caso”.

De acordo com um comunicado de imprensa da Procuradoria Nacional Antiterrorista (PNAT), sete dos 35 menores são crianças desacompanhadas.

Quanto às mulheres, com idades compreendidas entre os 22 e os 39 anos, “quatro já tinham consentido a devolução dos filhos nos últimos meses” e “12 regressaram com os filhos”. Eles têm nacionalidade francesa “exceto dois deles que, por outro lado, têm filhos franceses”.

Oito foram detidos pela polícia "em cumprimento de mandado de busca", segundo a PNAT, e outros sete "sujeitos a mandado de prisão" foram indiciados por associação terrorista criminosa e presos, segundo fonte familiarizada com o assunto.

Custódia

Entre essas sete mulheres está Emilie König, 37, de Lorient (oeste da França), que partiu para a Síria em 2012 e é suspeita de ter atuado como recrutadora do EI. Ela foi colocada em prisão preventiva depois de ser indiciada por um juiz antiterrorismo, observou a AFP durante uma audiência perante o juiz de liberdades e detenção (JLD).

“Ela pretende cooperar totalmente com a justiça francesa”, disse seu advogado Emmanuel Daoud à AFP.

A oitava mulher alvo de um mandado de prisão será apresentada a um juiz de instrução na quarta-feira para sua acusação, tendo sido objeto de tratamento médico na terça-feira, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto. Sofrendo de câncer de cólon, ela já passou por duas ablações na Síria.

Seus quatro filhos também foram repatriados. “Era a hora”, comentou Me Daoud, que também a defende.

Um menor de 17 anos também foi detido na DGSI (segurança interna), segundo fonte familiarizada com o assunto.

"Os serviços de inteligência chegaram aos campos de Roj ontem de manhã com listas e fotos das famílias que pretendiam repatriar", testemunhou sob condição de anonimato o tio de duas crianças que ainda estão lá.

“Sei o quanto as crianças francesas deixadas nos campos sofrem por não terem sido levadas com seus amigos e suas mães”, sublinhou Me Marie Dosé, conselho de família ainda no local. “São mais de 150 crianças e suas mães”, segundo o advogado, que pede “uma repatriação de todos o mais rápido possível”.

“Grande alívio” para famílias

"É um grande alívio, não teremos mais que nos preocupar dia e noite por suas vidas", declarou à AFP a tia de um menor que voltou com a mãe.

Essas 35 crianças, atendidas pela Assistência Social da Infância no departamento de Yvelines, juntam-se aos 126 menores que já retornaram desde 2016 de territórios tomados do EI.

Em 2019, quase sete em cada dez franceses se opuseram ao retorno dos filhos de jihadistas, de acordo com uma pesquisa da Odoxa-Dentsu Consulting para France Info e Le Figaro.

A questão continua a incomodar hoje no debate político na França, onde advogados, parlamentares, ONGs e órgãos independentes regularmente exortam as autoridades a seguir o exemplo dos vizinhos europeus.

A Alemanha e, mais recentemente, a Bélgica recuperaram grande parte de seus cidadãos detidos em campos sírios que reúnem deslocados e parentes de jihadistas.

"Continuaremos a repatriação enquanto for necessário para protegê-los", assegurou terça-feira a secretária de Estado francesa para a infância, Charlotte Caubel, no Twitter.

O “Coletivo das Famílias Unidas” por sua vez indicou em um comunicado de imprensa “esperança” que este repatriamento “assina o fim desta política abjeta de + caso a caso + que equivale a separar crianças, separar irmãos e arrancar crianças. mães.

A Defensora dos Direitos Claire Hédon sublinhou a “urgência” de os repatriar, descrevendo “as péssimas condições de vida, com problemas de nutrição, problemas de saúde, falta de acesso à escola”.

O Conselho Editorial (com AFP)

Crédito da imagem: Shutterstock.com/Trent Inness

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.