Evangelista dinamarquês Torben Søndergaard é preso nos EUA

O evangelista Torben Søndergaard mudou-se para os Estados Unidos com sua família em 2019, fugindo da discriminação que enfrentou em seu país. Na segunda-feira, ele anunciou no Facebook que estava sendo detido pela polícia de imigração dos EUA por suspeita de "tráfico de armas do México para a América". Acusações que o evangelista nega. 

Torben Søndergaard é um evangelista dinamarquês, fundador de um ministério chamado A Última Reforma.

Em um post publicado segunda-feira em sua conta do Facebook, o evangelista anunciou que está sendo mantido em confinamento solitário no Centro de Detenção do Condado de Baker, da Immigration and Customs Enforcement (ICE) na Flórida.

Ele explica que foi convidado na quinta-feira passada para uma reunião com a segurança interna para discutir seu arquivo de requerente de asilo. No entanto, quando ele apareceu para a reunião, a polícia lhe disse que ele estava lá porque eles haviam sido informados de suas atividades ilegais no contrabando de armas do México para os Estados Unidos.

“Fiquei em choque”, escreve Torben Søndergaard.

Segundo ele, atualmente está na Califórnia porque, com a esposa e os filhos, acabaram de montar uma escola bíblica no México. Se ele declara que os integrantes de sua equipe fizeram várias viagens entre os dois países, afirma que nenhum deles está envolvido com tráfico de armas. Ele também mantém sua inocência.

“Muitos de nossos assessores viajaram do México para os Estados Unidos várias vezes por semana, mas NENHUM deles está envolvido em contrabando de armas, e eu NUNCA tive nada a ver com contrabando de armas. Não sei NADA sobre contrabando de armas. »

O dinamarquês de 45 anos acredita que é por causa de "todas as coisas malucas que estão acontecendo na América agora" que ele é visto como uma "ameaça à segurança nacional".

CBN News relatórios contatando o Departamento de Segurança Interna sobre a prisão. O porta-voz Mike Mearas disse que a agência "não comenta nenhuma investigação em andamento".

Deus se manifesta atrás das grades

Em seu post, o evangelista de 45 anos descreve uma experiência "irreal" e extremamente difícil.

No entanto, mesmo atrás das grades, ele pediu a Deus que o usasse para abençoar os outros. Ele conta ter orado por um homem que foi curado e que lhe disse em lágrimas: "Uau, Deus realmente te mandou aqui porque há dois dias eu rezei para que Deus me enviasse alguém".

"Então, eu me diverti muito com Deus, embora tenha sido terrivelmente difícil", continua Torben.

Ele pede aos cristãos que orem por ele e sua família.

“Por favor, mantenha-me em suas orações e ore para que Deus continue trabalhando em mim. Sinto que a cada dia ele me muda e faz um ótimo trabalho no meu coração. Quando não faço nada além de dormir, rezo e como. Deus abençoe todos vocês aí. Lembre-se da minha família em suas orações. »

Pedindo asilo 

Em 2019, Torben Søndergaard deixou a Dinamarca com sua família e pediu asilo nos Estados Unidos após a divulgação de uma reportagem atacando seu ministério na televisão nacional. Neste documentário o evangelista foi retratado como um mentiroso e um charlatão que maltrata crianças e pessoas mentalmente instáveis ​​através de curas e os chamados "exorcismos".

“Estou ministrando há 18 anos. Nunca tive problema, nunca tive reclamação”, disse na época. “Claro que houve mal-entendidos. Talvez as pessoas tenham se machucado, etc., como todas as outras igrejas e todos os outros ministérios”, continuou o evangelista que assim explicou sua decisão de deixar o país.

O Conselho de Imprensa dinamarquês decidiu que ele havia sido enganado pelos jornalistas que fizeram o documentário, mas Torben Søndergaard sentiu que as acusações contra ele prejudicaram irremediavelmente sua reputação em seu país.

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Creative Commons / Wikimedia

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.