Editorial de Camille para 29 de outubro

Esta manhã, a França foi alvo de vários ataques terroristas.

Une ataque de faca mortal na igreja Notre-Dame de Nice, que deixou três vítimas e feridos. Outro ataque de faca, em Arabie saoudite, no consulado francês em Jeddah. E finalmente em Avignon, onde um homem armado ameaçou a polícia antes de ser interceptado.

Esses atos de violência ocorrem como parte de uma onda de descontentamento entre países muçulmanos ao Presidente Emmanuel Macron, que declarou que não pararíamos de publicar caricaturas do Profeta Muhammad, em nome da liberdade de expressão. Uma promessa que ele fez durante seu comovente discours em homenagem a Samuel Paty, pontuada por “vamos continuar como professor”.

É uma grande tristeza para a França e para os franceses serem novamente vítimas de tais atos de violência. Depois de Charlie Hebdo, Bataclan, Nice, Padre Jacques Hamel e mais recentemente Samuel Paty ... Nosso país está mais uma vez de luto por causa do terrorismo islâmico.

Vendo a onda de opiniões diversas, raiva e ódio nas redes sociais, eu me pergunto: qual deve ser nossa resposta como cristãos?

É claro que temos o direito de ficar com raiva, mas acredito que contra o ódio e a violência devemos nos opor constantemente à oração e ao amor, como Jesus nos ensina.

Portanto, ore pelas vítimas hospitalizadas, ore pelas famílias enlutadas, ore pelos franceses na Arábia Saudita que devem se sentir inseguros, ore pela comunidade muçulmana na França que mais uma vez corre o risco de ser estigmatizada e ore pelo nosso governo., De maio Deus lhes deu sabedoria para praticar esses atos bárbaros.

Acima de tudo, não vamos brincar de terroristas que querem nos dividir, que a coesão e a unidade sejam a nossa resposta.

Camille Westphal Perrier

 

 

 

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.