Como os cristãos afegãos sobrevivem ao regime talibã?

Descubra trechos da entrevista com um produtor afegão de um programa cristão no Afeganistão.

Um ano após a captura de Cabul pelo Talibã, A Voz dos Mártires do Canadá entrevistou o pastor Shoaib Ebadi, um canadense afegão de origem muçulmana que hospeda e produz programas cristãos transmitidos no Afeganistão, para aprender sobre a situação atual dos cristãos lá.

Ele explica que centenas de cristãos fugiram do Afeganistão, Paquistão e Dubai, mas que aqueles que permanecem lá não têm mais liberdade. Ele diz que civis estão sendo mortos todos os dias como vingança do Talibã contra aqueles que trabalharam para o governo anterior. Shoaib Ebadi diz que os cristãos estão sob ameaça. Como parte do programa de televisão que ele transmite, o pastor explica que recebe ligações de cristãos afegãos toda semana. Eles contam a ele sobre seus medos. Eles são presos, seus telefones celulares são examinados.

"O que ouvimos sobre os cristãos afegãos no Afeganistão é que eles têm muitos desafios, como muitos afegãos, mas especificamente como cristãos", continuou ele.

O primeiro problema para os cristãos é o trabalho.

“A maioria deles perdeu o emprego, porque trabalhava para diferentes organizações, organizações estrangeiras, ONGs ou para o governo. Eles perderam seus empregos, especialmente as mulheres. E essas mulheres eram as únicas provedoras de suas famílias, porque perderam seus maridos. E perderam seus empregos. »

O segundo problema diz respeito ao deslocamento. As mulheres não podem mover-se sozinhas de uma província para outra. Devem estar acompanhados do irmão, do pai ou de outro parente do sexo masculino, o que acarreta complicações na hora de obter atendimento médico.

Shoaib Ebadi evoca então a autocensura ligada aos medos dos cristãos. Mas ele também é grato por poder falar daqueles cristãos que se reúnem, dentro de suas próprias famílias, mas também com outras famílias, para rezar juntos. Eles se ajudam, se ajudam. “Eles fazem todas essas coisas para serem sal e luz”, diz ele.

O pároco dá então a informação no programa televisivo transmitido no local e assistido principalmente por muçulmanos, “que querem ouvir opiniões diferentes”.

“Uma das coisas que fazemos em nossos programas é ensinar sobre a vida de Jesus. (…) Ensinamos aos afegãos como eles podem conhecer Jesus, como eles podem entender os ensinamentos de Jesus, e é isso que muda o coração das pessoas no Afeganistão. (…) Falamos também da Palavra de Deus, da Boa Nova e dos meios que eles têm para acessá-la. »

Se ele explica que atualmente é difícil distribuir Bíblias, ele também especifica que a Bíblia continua disponível online.

“Eles podem ouvi-lo, baixá-lo como PDF ou baixá-lo como podcast ou arquivo de áudio. »

Neste programa de TV, Shoaib também compartilha uma perspectiva cristã sobre os eventos em andamento no Afeganistão.

“Por exemplo, quando eles dão essas novas regras sobre as mulheres, ou quando há genocídios de certos grupos étnicos, falamos abertamente sobre o fato de que Jesus ama a todos igualmente. »

"No momento, no Afeganistão, o crescimento da igreja é dez vezes mais rápido do que no Irã", diz Shoaib Ebadi, que discute o papel das transmissões cristãs, da Internet e das redes sociais. “Posso dizer que Deus está trabalhando, há pessoas novas todos os dias”, continua.

“As pessoas estão se perguntando. E esse é o melhor ponto de partida. Centenas de milhares de afegãos estão se perguntando. Principalmente os jovens, entre 16 e 25 anos. Eles questionam tudo, sua própria fé, seu passado, seu presente, seu futuro. Eles têm telefones celulares. Quando eles se perguntam, eles fazem perguntas. Alguns de nossos colegas fazem vídeos curtos no Instagram, sobre os ensinamentos de Jesus, a vida de Jesus. Eles são vistos centenas de milhares de vezes. »

Para os cristãos afegãos, “cada dia é um desafio”, lembra o pároco, convidando-nos a rezar por eles.

MC

Crédito de imagem: Shutterstock.com / Ruslan Lytvyn

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.