Birmânia: Apesar da implantação do exército, o povo continua a se manifestar contra o golpe

Neste fim de semana, enquanto os militares birmaneses se empenhavam em uma demonstração de força, a Desobediência Civil e o Movimento de Protesto Golpista continuam. 

JOoseph Kung Za Hmung católico birmanês, diretor do jornal Gloria News confidenciou aoAgenzia Fides sobre a situação atual em Mianmar após o golpe de Estado das forças armadas birmanesas. Evoca o Movimento de Desobediência Civil que cresce um pouco mais a cada dia no país para protestar contra este golpe, exigir o retorno da democracia e a libertação de Aung San Suu Kyi.

apesar de prisões ilegais e demonstrações de força, o povo de Mianmar continua a resistir e se manifestar pacificamente.

“Nossa chamada tem como objetivo acabar com as prisões ilegais de cidadãos durante a noite. Continuaremos a nutrir o Movimento de Desobediência Civil que milhares de pessoas de boa vontade de todas as culturas, origens, etnias e religiões estão promovendo em todo o país. Queremos expressar nosso desacordo pacífico, mas firme, com o governo militar. Queremos ser inspirados por Gandhi e pela não violência do Evangelho. "

“O Movimento pela Desobediência Civil está se fortalecendo a cada dia”, diz o editor do jornal. Acrescenta que o Movimento passa a envolver “pessoal de todos os ministérios”, apesar de os militares “pedirem que voltem a trabalhar pela boa administração do país”.

Zaw Myo Aung, um dos líderes da Liga Nacional para a Democracia, partido de Aung San Suu Kyi, disse Corriere della Sera que “a situação está muito tensa” e a cidade “cheia de comboios militares”.

O relator especial das Nações Unidas para a situação dos direitos humanos em Mianmar, Tom Andrews, denuncia uma situação de "guerra" em um post no Twitter e descreve reides noturnos, prisões e paralisação da internet.

“É como se os generais declarassem guerra ao povo de Mianmar: ataques noturnos; aumento de prisões; não há mais direitos removidos; outro desligamento da Internet; comboios militares entrando nas comunidades. Esses são sinais de desespero. Atenção geral: você será responsabilizado. "

D'après The Guardian, esta é "a mais importante demonstração de força até agora feita pelo exército" desde o golpe de 1º de fevereiro.

Stéphane Dujarric, chefe das Nações Unidas, pediu ao exército e à polícia de Mianmar que garantam que o direito à reunião pacífica seja "totalmente respeitado" e que os manifestantes "não sejam sujeitos a represálias" de maneira violenta. declaração publicado domingo. Ele julga que “relatos de violência contínua, intimidação e assédio por parte do pessoal de segurança” são “inaceitáveis”.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, também falou em um declaração publicado domingo. Ele disse estar "profundamente preocupado" com a situação em Mianmar e, particularmente, "com o uso crescente da força" pelo exército. O Secretário-Geral reiterou seu “apelo aos Estados membros para que exerçam influência coletiva e bilateralmente para a proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais do povo de Mianmar”. Ele também reiterou mais uma vez, "o apoio inabalável das Nações Unidas ao povo de Mianmar".

Camille Westphal Perrier

Crédito da imagem: Robert Bociaga Olk Bon / Shutterstock.com

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.