Billy Graham responde a um leitor e o avisa sobre o engano do relativismo

L
local Notícias de carisma relatado a resposta do evangelista muito famoso Billy Graham à pergunta muito sincera de um leitor sobre a existência do bem e do mal:

“Sei que os pregadores adoram dizer às pessoas o quanto são culpadas de seus pecados e precisam estar cientes disso. Não me sinto culpado por nada, não acho que haja coisas boas ou ruins. O que você diria para alguém como eu? "

O evangelista respondeu desta forma com uma carta tornada pública.

Antes de mais nada, devo dizer que sua carta me entristeceu muito. Ao pensar que não existe certo ou errado, você está colocando sua fé em algo errado, e esse equívoco pode prejudicar você e as pessoas ao seu redor.

"Ai daqueles que chamam o mal de bem e o bem de mal, Que transformam as trevas em luz, e a luz em trevas, Que transformam a amargura em doçura e a doçura em amargura! "
Isaías 5:20

Por outro lado, duvido seriamente que você acredite que não existe nem certo nem errado, mesmo que esteja convencido disso.
Você não fica indignado quando alguém abusa de uma criança, odeia alguém por causa de suas origens, trai seu cônjuge ou outras pessoas. Você não fica indignado quando um político coleta dinheiro sujo ou quando um atleta trapaceia? Claro que sim, porque em seu coração você sabe que isso é moralmente errado.
A verdadeira questão, porém, é: qual é o lugar de Deus em sua vida? Você sabe a resposta: você o rejeitou e deu as costas aos seus padrões morais. A razão para isso é que você não quer que isso interfira em sua maneira de viver.
Mas Deus ama você e não quer que você acabe destruindo sua vida. É por isso que exorto você a se voltar para Jesus Cristo e colocar sua vida sob Seu controle. Sua promessa é verdadeira:

“Se o Filho o libertar, você será verdadeiramente livre. "
João 8:36

O editorial

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.