Autoridades muçulmanas francesas condenam os ataques e relembram seu apego à França

“Há momentos em que devemos nos solidarizar com nosso país, que há várias semanas sofre ataques injustificados. Esta situação faz com que cada cidadão volte à sua consciência e às suas responsabilidades. "

Treis de federações muçulmanas e três Grandes Mesquitas publicaram uma declaração conjunta, Segunda-feira, 2 de novembro, na forma de uma condenação quádrupla.

Uma declaração que vem tanto no contexto de manifestações anti-francesas quanto pede um boicote aos produtos franceses que estão ocorrendo em vários países muçulmanos, como o Bangladesh. E também, após os ataques perpetrados por terroristas islâmicos que ocorreram com pouco mais de dez dias de intervalo na França, o assassinato de Samuel Paty e o ataque fatal em agradável.

O texto, traduzido para o inglês e o árabe, abre com uma introdução muito solene: “Há momentos de verdade na história das nações e na dos homens. "

“Há momentos em que todos os cidadãos devem construir seu destino na nação que escolheram ou que os viu nascer e crescer.
Há momentos em que devemos ser solidários com nosso país, que há várias semanas sofre ataques injustificados. Essa situação retorna cada cidadão à sua consciência e às suas responsabilidades. "

Com esta introdução, os signatários desejam reafirmar o seu apego à França, nação "que escolheram ou que os viu nascer e crescer".

A declaração foi assinada pelo Rassemblement des Musulmans de France (RMF), a Federação Francesa das Associações Islâmicas Africanas das Antilhas e Comores (FFAIACA), a Coordenação das Associações Muçulmanas de Paris (CAP), bem como pelas grandes mesquitas de Lyon, Paris, Ilha da Reunião e Saint-Denis.

Eles condenam firmemente "o terrorismo e qualquer forma de violência expressa em nome do Islã", bem como "todos aqueles que instrumentalizam o Islã para fins políticos, diplomáticos ou mercantis", eles desenvolvem seu ponto de vista afirmando que o Islã é "uma religião e não uma variável de ajuste para alimentar o discurso populista com conseqüências muitas vezes desastrosas ”.

Condenam também os “apelos injustificados ao boicote aos produtos franceses”, lembrando que a França é um país livre onde “o Presidente da República não pode impor a um órgão de imprensa a publicação ou não publicação de um desenho ou 'uma caricatura'. Finalmente, eles denunciam os "apelos ao assassinato lançados por funcionários estrangeiros" e reafirmam o secularismo como "um valor essencial" que permite que religiões, incluindo o Islã "floresçam na França".

Por último, apelam às autoridades para que tomem "medidas enérgicas para que a componente muçulmana da França, que em grande medida condenou os recentes actos terroristas, não se amalgama com os semeadores do ódio".

PC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.