A adesão à OTAN da Finlândia e da Suécia, uma pista de obstáculos… [OPINIÃO]

A Finlândia e a Suécia apresentaram seus pedidos de adesão à OTAN em 18 de maio. É sua resposta à ansiedade despertada em suas populações pela guerra travada pela Rússia contra a Ucrânia. Os finlandeses não acreditam mais que sua neutralidade os proteja do vizinho russo com quem dividem uma fronteira de 1 quilômetros. A Suécia está mais distante, mas seus parlamentares, como os da Finlândia, são majoritariamente a favor dessa adesão. Sem surpresa, a França e a Alemanha já manifestaram publicamente o seu apoio a esta iniciativa, assim como o Secretário-Geral da Aliança Atlântica.

Todo o mapa geopolítico do norte da Europa seria assim redesenhado sob o risco de antagonizar ainda mais Moscou. No mês passado, Vladimir Putin ameaçou retaliar o fornecimento de armas à Ucrânia com desdobramentos de infantaria e sistemas antiaéreos no noroeste da Rússia e forças navais no Golfo da Finlândia, ou pior ainda, para atomizar as principais capitais europeias do enclave de Kaliningrado com o míssil Sarmat. Contrastando com essas ameaças, a primeira reação do presidente russo à possível entrada da Finlândia e da Suécia na Aliança Atlântica parece moderada: "Tal ampliação da OTAN não constitui uma ameaça imediata", afirmou. , "mas a implantação de infra-estrutura militar nos territórios desses países levará, naturalmente, a uma resposta". Isso veio em 16 de maio do ministro da Defesa russo: ele anunciou a criação até o final do ano de doze novas bases militares no oeste do país para lidar com “o crescimento das ameaças de soldados nas fronteiras russas”. Isso é admitir em meias palavras que a ofensiva contra a Ucrânia leva ao resultado oposto ao que se pretendia.

Na Finlândia e na Suécia, a onda de entusiasmo despertada por este pedido de adesão à Aliança Atlântica mal havia diminuído quando as pessoas se perguntaram sobre suas condições. Muitos estão preocupados com a possível presença de tropas da OTAN e armas nucleares em seu solo. As negociações terão que estabelecer o nível de contribuição de seus países para a Aliança Atlântica antes da cúpula da OTAN que será realizada em Madri nos dias 29 e 30 de junho. Um relatório preliminar finlandês, destinado aos eurodeputados, já alertava que “a adesão não obrigaria a Finlândia a aceitar armas nucleares, bases permanentes ou tropas no seu território”.

Mas outro obstáculo, intransponível este, poderia vir de um veto de um dos trinta Estados membros da OTAN cuja unanimidade é necessária para qualquer nova adesão. No mês passado, o presidente croata, Zoran Milanovic, disse que se opunha à adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN, desde que a lei eleitoral na Bósnia-Herzegovina não fosse modificada em benefício das minorias croatas. O primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, que já está bloqueando o embargo ao petróleo russo (a Hungria importa 85% de seu gás e 65% de seu petróleo da Rússia) também poderia vetar a entrada dos dois países na OTAN. Mas a oposição mais categórica vem da Turquia: em 13 de maio, o presidente turco Erdogan declarou que a adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN seria “um erro”. "Não cederemos à adesão à OTAN de quem aplicar sanções contra a Turquia", licitou Recep Tayyip Erdogan, segunda-feira, 16 de maio, após uma reunião em 14 de maio em Berlim entre os ministros turcos, sueco e finlandês das Relações Exteriores não ter feito possível desbloquear a situação. Erdogan acusa Estocolmo e Helsinque "de abrigar terroristas" do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) e do YPG (Unidades de Proteção do Povo), braço armado do Partido da União Democrática Curda na Síria. “Os países escandinavos, infelizmente, são quase como hospedarias para organizações terroristas”, acrescentou Erdogan. Em particular, ele critica a Suécia por não dar seguimento aos pedidos de extradição de cerca de trinta suspeitos de terrorismo e os dois países nórdicos por terem congelado as exportações de armas para a Turquia desde 2019, em retaliação à operação turca no norte da Síria. Passando das declarações à ação, Erdogan bloqueou, na quarta-feira, 18 de maio, uma votação processual sobre o pedido de adesão da Finlândia e da Suécia, durante uma primeira reunião dos embaixadores dos 30 países membros da OTAN. No entanto, as negociações continuam no Conselho Atlântico para tentar superar a oposição da Turquia. Se não conseguirem antes da próxima cimeira da NATO em Madrid, no final de junho, pode-se esperar que o presidente turco aproveite a oportunidade para colocar “os pés no prato” para consolidar a “segurança nacional”. de peru.

Felipe Oswald

Fonte: La Croix

Este artigo foi publicado em Seleção do dia.

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.