300 escravos libertados graças à ação da Christian Solidarity Worldwide no Sudão

“Ao final de cada libertação de escravos nos dois municípios, as comunidades anfitriãs organizavam uma grande festa, com cantos e danças. "

Organização de defesa Christian Solidarity Worldwide defende o direito à liberdade religiosa. Entre suas ações, a organização trabalha para libertar escravos, sejam eles cristãos ou de outras minorias religiosas. Em sua última ação, em 2021, a organização libertou 300 escravos sul-sudaneses.

Franco Majok liderou essa operação. Ele explica que os escravos foram retirados do Sudão para suas aldeias de origem, nos condados do norte e do leste de Aweil.

“Ao final de cada libertação de escravos nos dois municípios, as comunidades anfitriãs organizavam uma grande festa, com cantos e danças”, explica.

Deng Khor Thuc tem 55 anos. Ele é um dos escravos libertos e mostra sua gratidão.

“Agradeço às pessoas nos Estados Unidos e na Europa que ajudaram a garantir minha liberdade. Eu não estaria aqui hoje como um homem livre sem o apoio que eles nos deram. [...] vou cultivar para me sustentar. O Sudão do Sul é minha casa e ninguém mais vai me bater ou me insultar. "

Em 2021, a organização Christian Solidarity Wordwide permitiu a libertação de 1500 escravos. Cada um deles recebeu um kit de sobrevivência, uma cabra, além de 25 kg de sorgo e amendoim.

A organização luta essa luta há mais de 25 anos, libertando mais de 100 pessoas. Mas ela deplora isso, 35 sudaneses ainda estão escravizados no país.

Franco Majok revelou em setembro passado que, para obter a libertação de um escravo, os comerciantes oferecem aos seus donos vacinas para vacas. Ele explica que "a maioria dos escravos são encontrados em áreas remotas do Sudão, onde trabalham na agricultura e nas tarefas domésticas". Ele diz: "Não teremos descanso até que todos os escravos sejam devolvidos ao Sudão do Sul."

MC

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.