"150 milhões de mulheres a mais do que homens passaram fome em 2021", segundo a organização Care

“A igualdade de gênero está intimamente ligada à segurança alimentar e nutricional nos níveis local, nacional e global. Simplificando, quanto mais desigualdade de gênero há em um país, mais famintas e desnutridas estão as pessoas. »

a organização CUIDADO, que luta contra a pobreza e está comprometida com a dignidade das pessoas, acaba de publicar um análise, intitulado Segurança alimentar e igualdade de gênero: uma sinfonia sinérgica pouco estudada, segundo a qual “mais 150 milhões de mulheres do que homens passaram fome em 2021”.

O objetivo declarado deste estudo é “explorar a correlação entre os valores da desigualdade de gênero e as pontuações de segurança alimentar em todo o mundo”.

A organização diz que “pela primeira vez, uma ligação global entre desigualdade de gênero e insegurança alimentar” foi demonstrada. Analisando dados de 2021, o relatório mostra que em 109 países, à medida que a desigualdade de gênero aumenta, a segurança alimentar diminui.

Christine Campeau, Diretora de Advocacia Global da CARE – Food Systems, disse:

“Entre 2018 e 2021, o número de mulheres famintas em comparação com homens famintos aumentou 8,4 vezes, com 150 milhões de mulheres a mais do que homens famintos em 2021.”

E segundo ela, “a escalada do conflito na Ucrânia vai piorar ainda mais a situação das mulheres, que desempenham um papel crucial nos sistemas alimentares e na alimentação de suas famílias e comunidades”.

Christine Campeau afirma que “quanto mais desigualdades de gênero existem em um país, mais pessoas passam fome e sofrem de desnutrição”.

“A igualdade de gênero está intimamente ligada à segurança alimentar e nutricional nos níveis local, nacional e global. Simplificando, quanto mais desigualdade de gênero há em um país, mais famintas e desnutridas estão as pessoas. »

A CARE explica que mesmo quando homens e mulheres estão tecnicamente em situação de insegurança alimentar, as mulheres muitas vezes carregam um fardo mais pesado. Por exemplo, na Somália, quando os homens dizem que comem menos, as mulheres falam sobre pular refeições.

"Como as mulheres continuam a alimentar o mundo, devemos dar a elas o lugar certo em nossos métodos de coleta e análise de dados para tornar visíveis as lacunas que enfrentam e trabalhar com as próprias mulheres para encontrar soluções para essas deficiências", afirma Christine Campeau.

MC

Crédito de imagem: Shutterstock.com / Sadik Gulec

© Info Chrétienne - Reprodução parcial autorizada seguida de um link "Leia mais" para esta página.

APOIE A INFORMAÇÃO CRISTÃ

Info Chrétienne por ser um serviço de imprensa online reconhecido pelo Ministério da Cultura, a sua doação é dedutível no imposto de renda em até 66%.